Seguidores

Arquivo do blog

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

A DIFERENÇA ENTRE O REAL E O VERDADEIRO

Muitas pessoas (talvez a grande maioria delas) pensa que algo real é verdadeiro. Usando um pouco a lógica se percebe facilmente a diferença. Inicialmente, se falarmos em "papai Noel", seus gnomos e seu trenô puxado por renas voadoras...não haverá ninguém (em são juízo) que afirme isto como real, e sim como o que é: IMAGINÁRIO.
Já uma nota de 100 dólares feita fora do Federal Bank nos EUA será tão falsa como uma de 100 reais feita na Antártida! Embora ambas possam ser vistas, tocadas, ambas sejam reais, não passasm de burdas falsificações, isto é não são verdadeiras!
Assim, quando se trata de experiências, especialmente religiosas, muitos caem no erro de crer nelas só porque são reais (não imaginárias). Todavia, precisamos aplicar aqui também o exercício que acabamos de fazer: algo pode ser imaginário ou pode ser real, mas aqui neste ponto ainda se faz necessário passar por um outro teste: o da autenticidade - é verdadeiro?.
Em questões religiosas, não se deve colocar experiências pessoais acima da Palavra de Deus...
Do contrário, espíritas, membros da seicho-no-ie, pentecostais, carismáticos, católicos, etc., etc., podem exigir ser ouvidos porque (acredite) todos eles têm EXPERIÊNCIAS REAIS para contar...Sendo honestos, precisamos reconhecer (mesmo) que, por exemplo, as pessoas que vão aos templos carismáticos ou as que participam em reuniões espíritas têm EXPERIÊNCIAS REAIS...
PORÉM, note bem aqui: REAL NÃO QUER DIZER VERDADEIRO! - nos terreiros há experiências reais (as manifestações lá não são imaginárias) e mesmo sendo reais, NÃO SÃO DA VERDADE - pois todas essas manifestações provêm do pai da mentira!!!
"Eu tive/tenho uma experiência" JAMAIS deve ou pode ser igualado a
"ASSIM ESTÁ ESCRITO"
Essa é a diferença entre o real (aquilo que acontece, não é imaginário)
e A VERDADE (da Palavra de Deus)

Os canalhas existem?

Quem poderia ter arquitetado um plano para reduzir a população da humanidade dos atuais quase sete bilhões para meio bilhão?
A grande maioria das pessoas não tem nenhum interesse nestes assuntos...algumas pessoas acreditam que a era dos canalhas que cometiam “crimes contra a humanidade” já passou e somente alguns veriam com seriedade tais coisas, deles, um ou dois ligarão essas coisas às profecias da Palavra de Deus.
Acerca do plano para reduzir a população mundial, há um monumento em granito localizado no Condado de Elbert, Geórgia, Estados Unidos, e nele estão gravadas dez frases em oito línguas modernas: inglês, espanhol, suaíli, hindi, hebreu, árabe, chinês e russo, e uma pequena mensagem, no topo, escrita em quatro antigas línguas: babilônio, sânscrito, grego e em hieróglifos egípcios.
Nessas estelas estão escritas 10 frases, que de acordo com o(s) idealizador(es) do monumento devem ser seguidas em "prol do bem maior" da humanidade e da natureza. Os megalitos foram encomendados à empresa Elberton Granite Finishing em junho de 1979 por um desconhecido que se apresentou sob o pseudônimo de R.C. Christian.
As Pedras Guia da Geórgia (como passaram a ser conhecidas) foram inauguradas em março de 1980, com a presença de 100 pessoas.
Nessas pedras estão inscrições que pautam, certamente, muitas pessoas poderosas (e entregues de corpo e alma ao Inimigo das nossas almas) ao redor do mundo:
1. Manter a humanidade abaixo de 500.000.000 (500 milhões) em um balanço constante com a natureza.
2. Controlar a reprodução de maneira sabia - aperfeiçoando as condições físicas e a diversidade.
3. Unir a humanidade com um novo idioma vigente.
4. Controlar a paixão - fé - tradição - e todas as coisas com razão moderada.
5. Proteger povos e nações com leis e cortes justas.
6. Permitir que todas as nações regulem-se internamente, resolvendo disputas externas em uma corte mundial.
7. Evitar leis insignificantes governantes desnecessários.
8. Balancear direitos pessoais com deveres sociais.
9. Valorizar a verdade - beleza - amor – procurando a harmonia com o infinito.
10. Não ser um câncer na terra – Deixar espaço para a natureza – Deixar espaço para a natureza.
Para ter maior noção do assunto, coloque “Pedras guias da Geórgia” nos buscadores do Google, Yahoo, Youtube, etc. PESQUISE, procure os fatos e ligue os pontos para chegar a uma conclusão.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Quem somos

Somos uma pequena congregação de cristãos luteranos.
Como congregação cristã estamos encarregados de transmitir o santo evangelho do Nosso Senhor Jesus Cristo. Evangelho é uma palavra de origem grega que significa “Boa Nova”.
E esta Boa Nova que queremos transmitir é:
1)Jesus padeceu na cruz em nosso lugar, morreu e foi sepultado.
2)Jesus ressuscitou no terceiro dia, triunfou sobre o pecado e a morte.
3)Somente em Jesus há perdão de pecados para todo aquele que, arrependido, o reconhece como seu Senhor.
Por isso, queremos nos colocar ao seu dispor, para, com a Bíblia Sagrada, compartilharmos o que Deus tem revelado para a humanidade.
Visite-nos ou entre em contato conosco!
92 01 – 17 22 / 9108-5120
ou pelos e-mails:
reverendogustavo@peru.com
igrejacristadareformaluterana@yahoo.com.br
O que cremos:
Þ Cremos em Deus Pai todo-poderoso, Criador do céu e da terra.
Þ Cremos em Jesus Cristo,
Þ Seu único Filho, nosso Senhor.
Þ Cremos que Jesus Cristo foi concebido pelo Espírito Santo.
Þ Cremos que nasceu da virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos,
Þ foi crucificado, morto e sepultado.
Þ Cremos que Jesus Cristo desceu ao inferno mas no terceiro dia ressuscitou dos mortos, subiu ao céu, e está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso.
Þ Cremos que Jesus Cristo há de vir a julgar os vivos e os mortos.
Þ Cremos no Espírito Santo.Þ Cremos na santa Igreja Cristã – que é a comunhão dos santos.
Þ Cremos no perdão dos pecados – pelo sangue que Jesus derramou morrendo em nosso lugar.
Þ Cremos na ressurreição do corpo e na vida eterna.
Como oramos:
Þ Oramos seguindo os ensinamentos do Senhor e Mestre:
*Em silêncio (Deus não é surdo – Ele já sabe o que precisamos antes mesmo de que peçamos!!)
“Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente.E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos.
Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes de vós lho pedirdes” Mateus 6:6-8
* Oramos sempre pedindo segundo a Sua Vontade e não “exigindo”Deus é o Soberano – não nós! Ele nos ensinou isso na oração do Pai–Nosso:
“...Seja feita a tua vontade assim na terra como nos céus...”
* Intercedemos uns pelos outros.
O que não somos:
Þ Não somos uma seita.
Þ Não somos gente que está “atrás do dinheiro”.
Þ Não somos gente que perturbará o seu descanso em casa.
Þ Não somos fanáticos.
Þ Não somos carismáticos/pentecostais.
Þ Não somos ecumênicos.
O que desejamos:

Þ Desejamos estudar a Palavra de Deus e estarmos preparados para compartilhar a doutrina cristã com os que a quiserem.
Þ Desejamos, como o Doutor Martinho Lutero, permanecer na Palavra de Deus e continuar com a doutrina da Reforma afirmando que a salvação é concedida ao homem:

Somente pela Graça,
somente pela Escritura,
somente pela Fé somente em Jesus Cristo,
somente por Ele a Deus a Glória!

sábado, 4 de dezembro de 2010

Malaquias 3 é uma peça de “bruxaria cristã”?

Malaquias 3 é uma peça de “bruxaria cristã”?
Dar o dízimo é pecado?

Malaquias 3:8-12 tem sido rotineiramente retirado do contexto e usado como maldição, numa espécie de “bruxaria cristã”, pelos pastores ambiciosos e manipuladores, alguns deles cegos pela ignorância bíblica. Malaquias foi escrito para um Israel que existia sob a lei. O dízimo era agrário e não baseado na renda. Israel havia se tornado relapso, os sacerdotes não faziam o seu trabalho, os sacrifícios eram corrompidos e rejeitados por Deus, com o povo negligenciando totalmente as leis matrimoniais e a manutenção e restauração da Casa de Deus. Já não se faziam sacrifícios aceitáveis.
Usar Malaquias como “maldição” contra pessoas salvas, que confiam no perfeito sacrifício de Cristo, pessoas que respeitam o matrimônio e não estão negligenciando o templo do Novo Testamento (ou seja, o seu corpo e condição espiritual), nem faltam às reuniões do “Corpo de Cristo”, é aplicar erroneamente a Palavra de Deus, visando lucro financeiro. Vejam o que declara o autor de um bestseller sobre o dízimo obrigatório, por crassa ignorância da Palavra, ou por pura ambição:
”Todo cristão que não está honrando Deus com o dízimo é culpado de estar roubando-O; está vivendo sob uma maldição e ficará na escravidão financeira, até que obedeça a Palavra de Deus e comece a dizimar. O dízimo quebra a maldição.” (“God’s Financial Plan”, Norman Robertson, p. 61, #12).
Esse malaquiano é quem deveria ser amaldiçoado por torcer de tal maneira a Palavra Santa. É isso que um pregador deve dizer a uma pessoa salva? O sacrifício de Cristo não foi suficiente? Será que Cristo removeu todas as maldições, menos a maldição financeira? Isso é um tipo de condenação à indução pelo medo, a qual é opressora, negativa e totalmente antibíblica. Esta declaração mistura a lei com a graça, deixando de manejar corretamente a Palavra da Verdade, constituindo-se em pedra de tropeço, não sendo um artigo de fé e, portanto, sendo um pecado.
Recentemente escutei um ministro lançar essa despropositada maldição de Malaquias à igreja, declarando que estava cansado de ver a igreja dele carente das bênçãos de Deus, por causa dos ladrões que freqüentavam a igreja e não dizimavam, dando somente ofertas... de procedência duvidosa. Será que esse ministro iria recusar todo o dinheiro desses “ladrões não dizimistas”? Por que iria ele participar de sua “ladroagem e pecado”, aceitando o dinheiro de uma “fonte corrupta?” (Malaquias 1:10; Amós 5:22) ...
Para estar certo de que não haveria engano na lei do dízimo agrário sob a lei, cada hebreu tinha de fazer uma declaração de honestidade perante o Senhor (Deuteronômio 26:13-15). Essa declaração obrigatória também especificava que o dízimo havia sido dado honestamente “... ao levita, ao estrangeiro, ao transeunte, ao órfão e à viúva”.
Se um crente está vivendo uma vida fora dos preceitos bíblicos, ou dizimando erroneamente, isso de nada lhe aproveitará, pois Deus não compactua com fraudes.
Devemos manejar corretamente a Palavra da Verdade. A 1 Coríntios 13 esclarece: “E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria”. Esse é o amor ÁGAPE. Declaro que quem dá com o propósito de receber está impropriamente motivado, pois não está dando com amor ÁGAPE. Devemos dar por amor, porque isso é correto. Tudo que recebemos de Deus é pela GRAÇA, através da fé em Jesus Cristo e Ele jamais nos ensinou a nos basearmos em obras (Lucas 18:9-14). A Escritura ensina que Deus não aceita ofertas de pessoas que vivam desonestamente e que não dêem com espírito reto. (Malaquias 1:10; Amós 5:22, 1 Coríntios 13:3).
O Novo Testamento sempre aperfeiçoa a lei. Ele nos ensina que a intenção é mais importante do que a regra. Segundo nos esclarece a 1 Coríntios 13, TUDO que é dado com falsas intenções de lucro resulta em NENHUM lucro individual. As promessas de Deus são de fé e esperança; portanto, dar sem amor ÁGAPE é um esforço sem resultado algum. Alguém pode crer e esperar boas coisas do Pai Celeste, quando dá sem o objetivo de receber. Isso para evitar que esse ato se torne centrado em obra. Uma coisa é certa: tudo que afeta a perfeita obra de Cristo não provém de Deus. (Lucas 18:9-14).
Aos membros de igrejas cujos pastores vivem falando de oferta das primícias, aqui vai um esclarecimento:
O Dizimo antes e durante a lei jamais foi a mesma coisa que a oferta das primícias. Muitos mestres do dízimo obrigatório confundem o dízimo com as ditas. Por não saberem manejar corretamente a Palavra da Verdade, muitas passagens da Escritura (com relação a dar as primícias) são mal aplicadas, a fim de darem suporte à doutrina do dízimo obrigatório. A oferta das primícias acontecia quando os israelitas traziam (como oferta) a primeira porção dos frutos colhidos. Era uma petição pelas colheitas futuras, as quais, posteriormente, seriam dizimadas. Era uma forma de compromisso de que os dízimos das colheitas seriam entregues. A oferta das primícias nunca foi dizimo, antes nem durante a vigência da Lei Mosaica.
Os mais famintos pelos dízimos e ofertas são os pastores que pregam a teologia da prosperidade, a qual somente funciona para eles mesmos.
A obra de Cristo não deve ser vista como uma promessa de que seremos bem sucedidos e nos tornaremos ricos.
Vejamos alguns trechos de uma entrevista feita com o ex-pregador pentecostal, Jim Baker, depois que ele se arrependeu e Deus ressuscitou o seu ministério:
“Sobre a pregação da prosperidade: Comecei a ler e escrever cada palavra conforme registrada no Evangelho. Chorei por ter estado tão errado, pregando outro evangelho e outro Jesus. Jesus chamou a riqueza de enganosa. Ele também disse: ‘Ai dos ricos’ e que ‘Não se pode servir a Deus e às riquezas’ (Mateus 6:24; Lucas 16:13). Ele jamais colocou os ricos e as riquezas num foco positivo. Como eu pude desperdiçar tanto tempo enfatizando bênçãos financeiras?
Eu costumava citar a 3 João 2 dizendo: ‘Acima de tudo, Deus deseja que vocês prosperem’. Eu amava essa passagem da Escritura. Ela parece ótima, num cenário da TV, quando se levantam fundos, e eu as interpretava como se Deus desejasse que fôssemos todos ricos. Mas quando cheguei às palavras de João, pensei: ‘Ora, isso não faz sentido.’ Então procurei a palavra ‘próspero’ no Grego e descobri que ela é composta de dois vocábulos: o primeiro significando ‘bom’ ou ‘bem’ e o segundo significando ‘jornada’. É uma palavra progressiva, então parece uma jornada.
Então, temos aqui basicamente o que João quis dizer: ‘Amado. Desejo-lhe uma boa jornada pela vida, do mesmo modo como sua alma tem feito uma boa jornada para o céu’. Era uma saudação! Construir uma teologia sobre esse verso é o mesmo que edificar a igreja sobe a frase ‘Tenha um dia feliz!’
Comecei a examinar as passagens da Escritura, usadas no ensino da prosperidade, tais como “Dai, e ser-vos-á dado’ (Lucas 6:38). Mas quando fui ao contexto da Escritura, descobri que Cristo estava nos ensinando que na mesma medida em que perdoamos somos também perdoados. Ele estava ensinando o perdão, não dinheiro. Ele estava nos ensinando que na medida em que perdoamos somos também perdoados.
Eu costumava copiar meus sermões de outros pregadores. A Bíblia admoesta os pastores que obtêm suas mensagens de outros. Acho que a razão de termos hoje outro evangelho e outro Jesus sendo pregados é porque os pregadores tiram seus sermões dos outros e do ensino motivacional. Uma porção do que está sendo ensinado hoje é simplesmente ensino motivacional, com um pouco de Escritura nele inserido”. Certa vez o pastor de uma igreja “avivada”, muito conhecido aqui em Teresópolis (RJ), foi pregar no seminário onde eu lecionava Inglês e Teologia Sistemática.

À medida em que ele ia falando, eu já sabia a próxima sentença que ele iria dizer. É que ele estava “papagueando” nada menos que o capítulo de um livro que eu acabara de ler. Tanto que nos final da “pregação”, ele falou: “Icabode!”, exatamente a última palavra do tal capítulo.
Para alguns pregadores o Cristianismo dos tempos atuais parece nada mais do que um bolo de sucesso com uma camada de cobertura cristã. Para eles “a riqueza é igual à piedade’. E a falta de riqueza é igual a “maldição”.
Mas vamos ler Tiago 1:9-11: “Mas glorie-se o irmão abatido na sua exaltação, e o rico em seu abatimento; porque ele passará como a flor da erva. porque sai o sol com ardor, e a erva seca, e a sua flor cai, e a formosa aparência do seu aspecto perece; assim se murchará também o rico em seus caminhos”.
Esses arrogantes mestres da prosperidade olham para os pobres, esquecendo que a maior fatia do seu dinheiro provém dos baixos salários do trabalhador, em geral iletrado e fácil de ser manipulado. Tal arrogância, muitas vezes, os leva a acreditar que “Deus sempre se encontra onde o dinheiro está fluindo”. Esses lacaios da doutrina da prosperidade pensam assim: “Ora, se eu estou faturando tanto dinheiro, isso só pode ser de Deus!”
Vamos repetir: Dar o dízimo com segunda intenções, conforme é praxe entre os membros das igrejas malaquianas, achando que Deus terá obrigação de retribuir o dito com bênçãos materiais e espirituais, é um grave pecado. Porque Deus não é comerciante para trocar mercadoria, nem quitandeiro para pesar as frutas e legumes e cobrar o equivalente em valor. Ele é Soberano e disse a Moisés: “Compadecer-me-ei de quem me compadecer, e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia. Assim, pois, isto não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus, que se compadece”.
Se você, meu irmão, tem dado o dízimo pensando receber algum favor divino, isso é obra morta e Deus odeia esse tipo de coisas. As obras foram abolidas desde a morte de Cristo no Calvário, onde Ele nos deu a salvação, creditando-nos todas as bênçãos espirituais, segundo Efésios 1:3.
Dê ofertas com o coração cheio de amor e gratidão pela bondade e misericórdia de Deus e nunca tentando comprá-Lo, pois o Seu favor não está à venda. Dê ofertas para sustentar as despesas da igreja, ame seus irmãos em Cristo, preste muita atenção nos sermões do pastor, cante belos hinos para louvar e glorificar o Senhor, que o melhor ELE vai fazer, com toda certeza!
Mary Schultze, julho 2006.
Material extraído do artigo “The Truth About Tithing”, De Richard Wayne Garganta, (richinri@aol.com)

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

O CRISTÃO VERDADEIRO NÃO PODE PERDER A SALVAÇÃO (1)

RAZÕES POR QUE O CRISTÃO NÃO PODE PERDER A SALVAÇÃO

IMPORTANTE: Assim como nem tudo o que está numa garagem é carro, nem todos os que estão numa igreja são cristãos – os versículos a seguir aplicam-se unicamente aos verdadeiros cristãos (os nascidos de novo)

A arca de Noé (Gênesis 7:16) - Sendo a arca um tipo de Cristo (IPe.3:20,21; Rm.3:6:4), o cristão está seguro nele (Cl.3:3; Ap.3:7)

Deus escolheu a Abraão (Gênesis 15:12) - Deus fez com o cristão, na pessoa de Abraão, uma aliança unilateral (o rompimento da aliança só seria possível se Deus morresse)

Deus controlou tudo o que aconteceu a Jó (Jó 5:19) - O cristão é guardado do mal (Sl.91: Jo.17:9-26)

O cristão é guardado por Deus do mal que há no mundo - Salmos 12:7

O cristão é guardado por Deus como a menina dos Seus olhos - Salmos 17:8

Deus é o refúgio do cristão (Hb.6:18) - Salmos 25:20

A alma do cristão é guardado por Deus (Sl.97:10) - Salmos 25:20

Se o cristão cair, não ficará prostrado (Sl.145:14; Pv.24:16; Jó 4:4; Rm.14:4;Mq.7:8) - Salmos 37:23,24

O cristão é preservado para sempre - Salmos 37:28

O cristão jamais será condenado (Salmos 89:30-35; I Coríntios 11:32) - Salmos 37:33

É Deus quem efetua a obra no cristão (Jo.3:21; Ef.3:20; Is.26:12;64:4; Fp.2:13) - Salmos 90:17

O cristão pode cair da graça (Gl.5:4), mas jamais cairá para a perdição (Sl.17:5;66:9) - Salmos 121:3

O Senhor guarda o cristão; guarda a sua alma de todo o mal; guarda a sua saída; guarda a sua entrada; e o guarda para sempre - Salmos 12l:5-8

O Senhor guarda os cristãos que O amam - Salmos 145:20

O cristão tem perpétuo fundamento (IITm.2:19; ICo.3:11) - Provérbios 10:25

O cristão é conduzido por Deus até o fim (Sl.121:8) - Isaías 46:3,4

O amor de Deus para com o cristão é eterno - Jeremias 31:3

Mediante a nova aliança (com sangue), o temor do Senhor é insuflado no coração do cristão (Jr.32:39,40) para que não se aparte de Deus (Hb.3:12;8:8-13; Ez.36:26,27) - Jeremias 31:31-33

Jesus está com o cristão todos os dias até o fim dos séculos - Mateus 28:20

Mc.9:39,40;Lc.11:23; IJo.5:10; Jo.3:33)

Há alegria no céu por um pecador que se arrepende - Lucas 15:3-10

O cristão jamais terá sede (Lc.16:24) - João 4:14

O cristão já passou da morte para a vida - João 5:24

O cristão jamais será lançado fora - João 6:37-40

O cristão já possui a vida eterna (IJo.5:11-13; ITm.6:12) - João 6:47

O crente é ovelha e não porca lavada (IIPe.2:20-22) - João 10:26

O cristão é conhecido do Senhor (Jo.10:14; IITm.2:19; ICo.8:3; Gl.4:9; Mt.7:21-23) - João 10:27

O cristão não pode ser arrancado da mão do Filho - João 10:28

O cristão não pode ser arrancado da mão do Pai - João 10:29

A fé do cristão o guarda de tropeçar (Rm.9:31-33) - João 11:9

O cristão já está limpo do seu pecado (Jo.15:3) - João 13:10

Cristo intercedeu pelos cristãos, e continua intercedendo (Hb.7:25; IJo.2:1; Rm.8:34) - João 17:20

Todo o pecado do cristão está consumado - João 19:30

O cristão já morreu com Cristo (IITm.2:11) - Romanos 6:8,9

O cristão vence o pecado (a carne) - Romanos 6:1

Nenhuma condenação há para o cristão (Rm.8:33,34) - Romanos 8:1

O cristão é propriedade de Cristo (ICo.6:19,20) - Romanos 8:9-11

O CRISTÃO VERDADEIRO NÃO PODE PERDER A SALVAÇÃO (2)

O Espírito Santo intercede pelo cristão - Romanos 8:26,27
Todas as coisas cooperam para o bem do cristão (Gn.50:20) - Romanos 8:28

Sendo justificado, o cristão também será glorificado - Romanos 8:30

Nada poderá separar o cristão do amor de Deus (Jo.13:1; Jo.16:33; Ap.2:7,11,17,26;3:5,12,21) - Romanos 8:35-39

O chamado e os dons de Deus são irrevogáveis - Romanos 11:29

O cristão é guardado pelo poder de Deus (IITm.1:12; Jd.24) - Romanos 16:25

O cristão será confirmado até o fim (Rm.16:25; IITs.3:3) - I Coríntios 1:8

Cristo é a redenção, justiça e santificação do cristão - I Coríntios 1:30

I Coríntios 3:15 - O cristão infiel será salvo como pelo fogo (ICo.5:1-5;11:29-32)

A tentação não pode condenar o cristão (Rm.6:14,18; IIPe.2:9) - I Coríntios 10:13

Deus fez com o cristão, na pessoa de Abraão, uma aliança incondicional, selada com sangue (Jr.34:18, 19; Gn.15:12-21), e não com sapato (Rt.4:7,8) ou com sal (Nm.18:19; Lv.2:13) - I Coríntios 11:25

Jesus é o "Amém" das promessas de Deus (Jo.6:47) - II Coríntios 1:20

O cristão tem o penhor do Espirito Santo como garantia segura e inabalável (IICo.5:5) - II Coríntios 1:22
O crente foi resgatado para sempre da maldição da lei - Gálatas 3:13

Deus fez com o cristão, na pessoa de Abraão (Gl.3:29), uma aliança irrevogável - Gálatas 3:15

O cristão está selado no Espirito Santo (Ef.1:13; IITm.2:19), e este selo é inviolável e irrevogável (Es.8:8; Dn.6:12) - Efésios 4:30

A igreja será sempre irrepreensível (IICo.11:2; ICo.12:26,27) - Efésios 5:27

Deus mesmo terminará a obra no cristão (Fp.2:13) - Filipenses 1:6

A vida do cristão está escondida com Cristo em Deus - Colossenses 3:3

O cristão não será surpreendido na vinda do Senhor - I Tessalonicenses 5:1-10

O cristão infiel será salvo pela fidelidade de Deus (Rm.3:3) - II Timóteo 2:13

A salvação do cristão se fundamenta em duas coisas imutáveis:
a) a promessa (Js.21:45; At.13:32; IICo.1:20; Ef.3:6; Hb.9:14,15;10:23; IJo.2:25)
b) o juramento (Hb.6:16)
Só a promessa, sem o juramento já era em si mesma suficiente, mas Deus querendo mostrar a imutabilidade daquilo que Ele decretou, foi além da promessa, fazendo juramento. E Deus foi ainda mais além quando jurou pelo Seu próprio nome, porque não havia outro nome superior ao Seu (Hb.6:13,16; Jr.44:26;Nm.23:19) - Hebreus 6:17

Jesus é o Autor da fé, e por isso, o cristão não pode perdê-la (Fp.1:29; ICo.3:5; At.18:27; Gl.5:22; II Ts.3:2) - Hebreus 12:2

O cristão jamais será abandonado por Deus - Hebreus 13:5

O cristão foi regenerado para uma viva esperança. O crente possui a natureza divina - I Pedro 1:3,4

O cristão é guardado pela fé no poder de Deus - I Pedro 1:5

O cristão foi regenerado pela Palavra de Deus - I Pedro 1:23

O cristão já cessou do pecado (Rm.6:14; IJo.3:9) - I Pedro 4:1

O cristão vence o diabo (IJo.4:4; Ap.12:11) - I João 2:14

O cristão é perseverante na fé (Mt.10:22;24:13; IIJo.9; Ap.13:10;14:12) - I João 2:19

O cristão não pode negar o filho (Mt.10:33; IITm.2:12) - I João 2:22,23

O cristão foi regenerado pelo Espírito Santo (Jo.3:5; Tt.3:5) - I João 3:9

O cristão é nascido de Deus, e não pode "desnascer" - I João 5:1

O cristão vence o mundo - I João 5:4

O cristão não pode pecar para a morte eterna (IJo.3:9;5:18) - I João 5:16

O cristão é guardado do maligno (IITs.3:3; Jr.31:11) - I João 5:18

O cristão é guardado para não tropeçar (ISm.2:9; Is.63:13) - Judas 24

O cristão foi comprado com sangue (ICo.6:20;7:23; IPe.1:18,19) - Apocalipse 5:9

sábado, 16 de outubro de 2010

DAR LIMITES - A EDUCAÇÃO DOS FILHOS NO LAR

Dar limites é:
• Ensinar que os direitos são iguais para todos
• Ensinar que existem OUTRAS pessoas no mundo
• Fazer a criança compreender que seus direitos acabam onde começam os direitos dos outros
• Dizer “sim” sempre que possível e “não” sempre que necessário.
• Só dizer “não” aos filhos quando houver uma razão concreta
• Mostrar que muitas coisas podem ser feitas e outras não podem ser feitas
• Fazer a criança ver o mundo com uma conotação social (conviver) e não apenas psicológica (o meu desejo e o meu prazer são as únicas coisas que contam)
• Ensinar a tolerar pequenas frustrações no presente para que, no futuro, os problemas da vida possam ser superados com equilíbrio e maturidade (a criança que hoje aprendeu a esperar a sua vez de ser servida à mesa amanhã não considerará um insulto pessoal esperar a vez na fila do cinema ou aguardar três ou quatro dias até que um chefe dê o seu parecer sobre sua promoção)
• Desenvolver a capacidade de adiar satisfação (se não conseguir emprego hoje, continuará a lutar sem desistir, ou, caso não tenha desenvolvido esta habilidade, agirá de forma insensata e desequilibrada, partindo, por exemplo, para a marginalidade, o alcoolismo ou a depressão)
• Evitar que seu filho cresça achando que todos no mundo têm de satisfazer seus mínimos desejos e, se tal não ocorrer (o que é o mais provável), não conseguir lidar bem com a maior contrariedade, tornando-se, aí sim, frustrado, amargo ou, pior, desequilibrado emocionalmente
• Saber discernir entre o que é uma necessidade dos filhos e o que é apenas desejo
• Compreender que direito à privacidade não significa falta de cuidado, descaso, falta de acompanhamento e supervisão às atividades e atitudes dos filhos, dentro e fora de casa
• Ensinar que cada direito corresponde a um dever e, principalmente:
• Dar o exemplo ( quem quer ter filhos que respeitem a lei e os homens tem de viver seu dia-a-dia dentro desses mesmos princípios – ainda que a sociedade não tenha apenas indivíduos que agem dessa forma!!!)
Copiado do livro “Limites sem trauma” de Tânia Zagury (Editora Record) págs. 23 e 24

O Que Diz A Bíblia Sobre A Educação dos Filhos no Lar
Todos os males da sociedade, sejam financeiros, políticos, trabalhistas, escolares ou religiosos têm a sua origem no coração do homem. Sabemos como é o coração do homem (Jer. 17:9; Rom 3:10-23). A instituição que Deus estabeleceu, ainda no jardim do Éden, que ajuntou duas pessoas em maneiras especificas para ser uma unidade é o que chamamos de família.
O ambiente que é formado pelo amor exercitado entre todos da família cria o que chamamos de “o lar”. O lar tem suma importância na vida humana pois é o berço de costumes, hábitos, caráter, crenças e morais de cada ser humano, seja no contexto mundial, nacional, municipal ou familiar. Então, podemos dizer, como vai o lar vai o mundo, e também, o que é bom para a família é bom para o mundo.
Tal lar, tal mundo
Reconhecendo a existência e influência do pecado, sabemos que todos os lares não estão operando com as mesmas regras e propósitos com os quais um lar cristão opera. Aprender o que a Bíblia ensina sobre o assunto do lar é uma garantia que atingiremos o alvo o qual Deus tem para nós na relação de família.

I. O Que é Educação dos Filhos
Provérbios 4:23; 20:11
Educação de almas quer dizer semear e ajudar a implantação de princípios verdadeiros no coração dos filhos.
A responsabilidade dos pais é de treinar e desenvolver estas verdades continuamente até que sejam enraizadas no coração do filho ao ponto que sejam visíveis no comportamento e o raciocínio das ações dos filhos.
Entrando no assunto de educação de filhos devemos entender o que basicamente ela é. Educação de filhos é educação de almas. O coração da criança é o alvo de educação. Se o coração de uma criança é treinado, as ações da vida de um adulto serão influenciadas Pelas ações de uma pessoa se conhece seu coração (Prov. 20:11). Por essa importância dada ao coração de uma pessoa a educação de filhos deve indicar o treinamento do coração (Prov. 4:23).
Uma observação deve ser dada nesta altura. Quando uma criança faz algo que não é aceitável pelos pais a tendência é desculpar tal ação pelo ditado, ‘é coisa de criança’, ou ‘é coisa de jovem’. Uma atitude dessa é nada menos de uma fuga de responsabilidade que os pais têm em corrigir as ações dos seus filhos. Também tal ditado reflete uma falta de crença na própria Bíblia que diz que pelas ações da criança se conhece a criança. A verdade é: as ações tolas vem de uma criança tola. O que é necessário neste caso é uma correção e não uma desculpa (Prov. 22:15). Tolice deve ser cortado em crianças de qualquer idade. O que a criança faz indica o que ela é de coração. Educação adequada transformará tal coração em prudência, auto controle e sabedoria (Prov. 29:15). O que é necessário é educação, não uma desculpa.
Seria bom aqui já abordar o assunto do que a educação dos filhos não é. Educando os filhos não é só o que os pais investem no filho. É muito alem de um ambiente de bem estar no lar. O desenvolvimento no lar de um lado positivo e construtivo para o filho é importante mas não é a soma do assunto de educação de filhos. Os pais fornecendo roupa de bom gosto, comida deliciosa, habitação adequada, escolaridade avançada, proteção adequada e posição social não deve ser igualada à totalidade na educação de filhos. Todas essa áreas de uma vida podem ser cultivadas e bem estabelecidas sem ter dado uma educação propícia ao filho.
A alma do filho deve ser treinada. Ela não é neutra. Ou ela tem Deus como o alvo de agradar ou ela tem o que não é de Deus como o alvo de agradar e imitar. Não existem outras opções. “Do coração procedem os maus pensamento, mortes, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias.” (Mat. 15:19). Mesmo que o atitude que um filho eventualmente terá de Deus depende de uma decisão final do filho, os pais treinando o filho de um ponto de vista de temor a Deus e obediência em amor da palavra de Deus produzirá no filho os fatos necessários para ele fazer a sua própria decisão um dia. Mas até aquele dia, os pais têm uma responsabilidade de educar a alma do filho no caminho em que deve andar (Prov. 22:6).
Quando um pai e uma mãe entendem que as ações do filho refletem o estado do coração do seu filho e não só imaturidade ou fases de crescimento eles têm uma base boa para enfrentar todos os desafios que vem junto o privilégio de ter o filho.
II. A Autoridade na Educação dos Filhos
Há opiniões diferentes sobre a educação dos filhos. Cada pai e cada mãe têm uma opinião como a educação deve ser feita, pelo menos por uma fase ou outra na vida do filho. Geralmente essa opinião é uma reação contra a maneira que eles foram criados ou é uma opinião baseada num método que eles mesmo têm desenvolvidos. Os ‘profissionais’ têm opiniões também. Estas opiniões são diversos e até entre elas, há conflitos. A sociedade dita inferências que podem ou não responder às realidades. Os sentimentos no seio dos pais podem também indicar um caminho que deve ser escolhido neste desafio de educação dos filhos. O desafio de educar os filhos e a diversidade de opiniões que mudem com o passar do tempo são tantas que podemos entender que só tendo a capacidade de trazer filhos ao mundo não em si capacita para educar os filhos na maneiro coerente.
Na face de tantas duvidas e perguntas deve ser bem expressado que há uma maneira certa e há maneiras erradas na educação de filhos. Há mesmo um padrão para todos. Há absolutos. A verdade é que se a educação de filhos é educação de almas então a única fonte viável de instrução é a Bíblia (Prov. 9:10,11).
A. A Bíblia é Pura e Inteira - Hebreus 4:12
A Bíblia é de Deus. Sendo de Deus ela é o único livro não adaptado aos opiniões, pensamentos ou filosofias do homem. A Bíblia mantém-se estável em todas as épocas. Ela é sempre atual e por isso não é carente em nenhum ponto qualquer para ser aplicada em qualquer situação e especialmente nos desafios na educação de filhos.
B. A Bíblia é Necessária - Mateus 4:4
Como pão é necessário para o corpo física, a Palavra de Deus é necessária para a alma ou espírito do homem. Para as almas dos filhos serem educadas é necessário alimentação espiritual.
As Escrituras Sagradas são esta alimentação espiritual (João 6:63; Hebreus 4:12, “ e penetra até à divisão da alma e do espírito ... e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração”).
Na educação dos filhos é uma pratica boa para os pais levarem os filhos ao conhecimento do fato que são principias Bíblicos que eles estão baseando as suas ações para com os filhos.
Se os pais, na educação dos filhos, só colocam a sua própria palavra como a autoridade final de tudo, um dia mais cedo ou mais tarde, os filhos podem rebelar contra o raciocínio dos pais. Mas se os pais estão treinando os filhos segundo aos princípios Bíblicos e informando aos filhos que os principias que os pais estão ensinando são realmente princípios de Deus, a autoridade já é diferente. Se o filho rebelar contra os princípios Bíblicos ele torna contra Deus. Então é sábio para os pais serem conhecedores dos ensinamentos da Bíblia, tê-los em pratica na suas próprias vidas e deixar os filhos saberem que o que eles, como pais, estão exigindo, Deus está exigindo em primeiro lugar.
Para a alma do filho ser treinada, ela necessita instrução espiritual
C. A Bíblia é Superior - Isaías 55:8,9
Qualquer sistema de pensamento que não baseia-se na Palavra de Deus é falho (Prov. 28:26). A filosofia do homem eventualmente levará à deificação do homem. Se não é de Deus não levará a Deus. Lembramos como é o coração do homem (Jer 17:9).
Se a filosofia usada na educação dos filhos não for divina, o filho não terá orientação adequada para todos as áreas da sua vida. Só quando a criança sabe de onde veio, para qual razão veio e para onde vai pode realmente ser bem equilibrada. Só a Bíblia pode dar as respostas competentes para estas perguntas essenciais. A Bíblia é a revelação adequada de toda a verdade necessária sobre o homem e sobre Deus. A sabedoria do homem nunca pode levar o homem a Deus nem às verdades espirituais (I Cor 1:21; 2:14). Qualquer pessoa só pode se conhecer e saber a verdade de Deus através da revelação que Deus deu do homem e de Si mesmo - a Bíblia.
Naturalmente cada homem tem opiniões baseados nos seus próprios conhecimentos adquiridos pelo ensino tanto pelo sistema humana quanto pelas suas próprias experiências. Quando se aprenda o que diz Deus de qualquer assunto, a ação apropriada será de avaliar as opiniões pessoais com o ensinamento da Palavra de Deus. Nunca devemos julgar a Palavra de Deus pelos nossos pensamentos, mas o vice-versa é necessário .
D. A Bíblia é Divina - II Tim 3:16; II Ped 1:20,21
A Palavra de Deus é de Deus e é para o benefício do homem. Sendo divina, ela tem o que o homem necessita para orientar em assuntos tanto à vida terrestre quanto à vida celeste. O que é certo e errado são absolutos. Só Deus pode comunicar com autoridade nestes assuntos. A Bíblia pode ser consultada nos assuntos morais.
O que é necessário para o homem é aqui na Bíblia (Deut 29:29). A Bíblia não ensina tudo o que é possível saber mas tudo o que é necessário é abordado. Ela foi escrita e assim pode ser estudada. Os princípios dela quando são aplicados em pratica com regularidade e exigência só apontam para sucessos. Sendo divina, a Bíblia é confiável.
E. A Bíblia é Verdade - João 17:17; Josué 1:8
Deus não pode mentir (Heb 6:18). Quando os princípios da Bíblia são aplicados numa maneira certa eles produzem resultados previstos. Ela é fonte de verdades absolutos. Há conseqüências fixas tanto na observação quanto na negação dos princípios dela. Se observe os, terão bênçãos (Deut 28:1,2; Jer 15:16). Se não observe os, não terão bênçãos (Deut 28:15; Josué 1:8). Não precisa meio-termo quando se fala do que ensina a Bíblia.

Ninguém reprova

A ”vitória” do socialismo na sala de aula.
Para os professores pensarem...aonde pode levar a tendência
da “nova escola” de não reprovar ninguém.
Um professor de economia na universidade Texas Tech (EUA) disse que ele nunca repetiu um só aluno antes, mas tinha, uma vez, reprovado uma classe inteira. Essa classe em particular tinha insistido que o socialismo realmente funcionava: ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e 'justo.' O professor então disse, "Ok, vamos fazer um experimento socialista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas em testes."
Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe, e portanto seriam 'justas.' Isso quis dizer que todos receberiam as mesmas notas, o que significou que ninguém repetiria. Isso também quis dizer, claro, que ninguém receberia um A...
Depois que a média das primeiras provas foram tiradas, todos receberam “B”. Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado.
Quando o segundo teste foi aplicado, os preguiçosos estudaram ainda menos - eles esperavam tirar notas boas de qualquer forma. Aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que eles também se aproveitariam do trem da alegria das notas. Portanto, agindo contra suas tendências, eles copiaram os hábitos dos preguiçosos. Como um resultado, a segunda média dos testes foi D. Ninguém gostou.
Depois do terceiro teste, a média geral foi um F.
As notas não voltaram a patamares mais altos, mas as desavenças entre os alunos, buscas por culpados e palavrões passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela classe. A busca por 'justiça' dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e senso de injustiça que passaram a fazer parte daquela turma. No final das contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar o resto da sala.
Portanto, todos os alunos repetiram... Para sua total surpresa...
O professor explicou que o experimento socialista tinha falhado porque ele foi baseado no menor esforço possível da parte de seus participantes.
Preguiça e mágoas foram seu resultado...Sempre haveria fracasso na situação a partir da qual o experimento tinha começado.
Ele disse:
"Quando a recompensa é grande o esforço pelo sucesso é grande,
pelo menos para alguns de nós. Mas quando o governo elimina
todas as recompensas ao tirar coisas de uns sem o seu consentimento,
para dar a outros que não batalharam por elas,
então o fracasso é inevitável."

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Entre em contato conosco!

Não estamos "atrás do seu dinheiro", não prometemos nem "encenamos milagres", não "expulsamos demônios", nem fazemos gritaria ao orar, não somos ecumênicos . . .
Em fim, nós da Igreja Crista da Reforma Luterana só queremos estudar a Palavra de Deus e compartilhá-la com aqueles que têm o desejo de conhecer ou aprender profundamente a DOUTRINA DA REFORMA do século XVI (doutrina mantida a quilómetros de distância de qualquer das igrejas atuais - pode ter certeza disso! - a prova é que todos nós temos e lemos o Livro de Concórdia - norma normata da Reforma Luterana)
Você tem questões que gostaria expor? Dúvidas? Perguntas sobre asuntos específicos?
Mas não quer se expor? (afinal, estamos rodeados de "pastores" que só te um intere$$e na vida, não é?)
Então mande um e-mail para nós!
igrejacristadareformaluterana@yahoo.com.br

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

O Que Significa Perdoar?

José tinha apenas dezessete anos quando seus irmãos, friamente, venderam-no para a escravidão. Separado de sua família e do seu país, ele atingiu a posição de supervisor da casa de Potifar, seu senhor egípcio. Mas o desastre atingiu-o novamente. Ele recusou os avanços sexuais da esposa de Potifar e ela acusou-o falsamente de assediá-la. Ele foi posto na prisão, onde, mais uma vez, o Senhor estava com ele e se tornou o supervisor dos outros prisioneiros. José permaneceu nessa prisão pelo menos durante dois anos (Gênesis 37; 39).
Faraó, rei do Egito, teve um sonho e desejava sua interpretação. José foi capaz, pelo poder de Deus, de interpretar o sonho de Faraó e foi exaltado a uma posição de poder próxima à do próprio Faraó. Este fê-lo encarregado da armazenagem e da distribuição dos cereais em toda a terra do Egito. Foi depois disto que os irmãos de José vieram ao Egito para comprar cereais. Estava dentro do poder de José tomar vingança contra aqueles que tinham pecado contra ele tantos anos atrás. Contudo, a Bíblia nos conta que José experimentou seus irmãos e, tendo visto o arrependimento deles, recebeu-os com lágrimas e afeto (Gênesis 45:1-15). Ele os tinha perdoado por seu pecado.
Muitas pessoas não perdoariam, como José o fez. Não é fácil, freqüentemente, perdoar, e quanto maior a intimidade que temos com aquele que peca contra nós, mais difícil é perdoá-lo. As Escrituras nos ensinam, contudo, que a má vontade em perdoar os outros nos retira o perdão divino. Jesus ensinou: "Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará; se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas" (Mateus 6:14-15). Desde que todos os indivíduos responsáveis diante de Deus necessitam de perdão, é portanto indispensável que entendamos e pratiquemos o perdão.
O que é o Perdão?
A palavra grega traduzida como "perdoar" significa literalmente cancelar ou remir. Significa a liberação ou cancelamento de uma obrigação e foi algumas vezes usada no sentido de perdoar um débito financeiro. Para entendermos o significado desta palavra dentro do conceito bíblico de perdão, precisamos entender que o pecador é um devedor espiritual. Até Jesus usou esta linguagem figurativa quando ensinou aos discípulos como orar: "e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores" (Mateus 6:12). Uma pessoa se torna devedora quando transgride a lei de Deus (1 João 3:4). Cada pessoa que peca precisa suportar a culpa de sua própria transgressão (Ezequiel 18:4,20) e o justo castigo do pecado resultante (Romanos 6:23). Ele ocupa a posição de pecador aos olhos de Deus e perde sua comunhão com Deus (Isaías 59:1-2; 1 João 1:5-7).
A boa nova do evangelho é que Jesus pagou o preço por nossos pecados com sua morte na cruz. Quando aceitamos o convite para a salvação através de nossa obediência aos mandamentos de Deus, ele aceita a morte de Jesus como o pagamento de nossos pecados e nos livra da culpa por nossas transgressões. Não ficamos mais na posição de infratores da lei ou devedores diante de Deus. Somos perdoados!
O perdão, então, é um ato no qual o ofendido livra o ofensor do pecado, liberta-o da culpa pelo pecado. Este é o sentido pelo qual Deus “esquece” quando perdoa (Hebreus 8:12). Não que a memória de Deus seja fraca. Por exemplo, Deus lembrou-se do pecado de Davi a respeito de Bate-Seba e Urias muito tempo depois que Davi tinha sido perdoado (2 Samuel 12:13; 1 Reis 15:5). Ele liberta a pessoa perdoada da dívida do seu pecado, isto é, cessa de imputar a culpa desse pecado à pessoa perdoada (veja Romanos 4:7-8).
O Perdão é Condicional
É importante entender que o perdão de Deus é condicional. Deus perdoa livremente no sentido que ele não exige a morte do pecador que responde a seu convite de salvação, permitindo que a morte de Jesus pague a pena por seus pecados. Contudo, Deus exige fé, arrependimento, confissão de fé e batismo como condições para o perdão do pecador estranho (Marcos 16:16; Atos 2:37-38; 8:35-38; Romanos 10:9-10). O perdão é também condicional para o cristão que peca. O arrependimento, a mudança de pensamento, precisam ocorrer antes que o perdão divino seja estendido (Atos 8:22). Deus nos chama a perdoar assim como ele perdoa. Quando alguém peca contra mim, ele se torna um transgressor da lei de Cristo. Eu o considero um pecador. Se ele se arrepende e pede para ser perdoado, eu tenho que perdoá-lo, isto é, libertá-lo de sua culpa como transgressor. Quando eu o perdoo, não o considero mais um pecador. Posso não ser literalmente capaz de esquecer o pecado que ele cometeu mais do que Deus literalmente "esquece" nossos pecados, mas preciso deixar de atribuir a ele a culpa pelo seu pecado. Deste modo, eu o liberto de sua "dívida"”
E se o pecador não se arrepender? Tenho que perdoar aquele que peca contra mim, mas não se arrepende? Talvez esta pergunta seja melhor respondida pelas palavras de Jesus: "Acautelai-vos. Se teu irmão pecar contra ti, repreende-o; se ele se arrepender, perdoa-lhe. Se, por sete vezes no dia, pecar contra ti e, sete vezes, vier ter contigo, dizendo: Estou arrependido, perdoa-lhe" (Lucas 17:3-4). Jesus indicou que o perdão deveria ser estendido quando o pecador se arrepende e confessa seu pecado. Precisamos também lembrar que Deus sempre exige arrependimento como condição de divino perdão. Deus não exige de nós o que ele mesmo não está querendo fazer.
Perdão Não É . . .
De fato, se libertamos o pecador de sua culpa sem arrependimento, encorajamo-lo a continuar em seus modos destruidores. O perdão não é a desculpa pelo pecado. Algumas pessoas "esquecem," isto é, ignoram os pecados cometidos contra elas porque têm medo de enfrentar o pecador. Entretanto a Bíblia é bem explícita sobre o curso da ação a ser seguida quando um irmão peca contra mim (Lucas 17:3; Mateus 18:15-17). O perdão fala de misericórdia, mas não deverá ser confundido com a tolerância e permissão do pecado. O Senhor perdoará ou punirá o pecador, dependendo da reação do pecador ao evangelho, mas ele não tolera a iniquidade.
A Bíblia ensina que o direito de vingança pertence ao Senhor (Romanos 12:17-21).
O perdão, contudo, não é simplesmente uma recusa a tirar vingança. Algumas vezes a pessoa ofendida abstém-se de responder ao mal com o mal, mas não está querendo libertar o pecador de sua condição de transgressor mesmo quando o pecador se arrepende. A pessoa contra quem se pecou pode querer usar o pecado como um tacape para castigar o pecador, mencionando-o de vez em quando para vergonha do ofensor.
Se perdoo meu irmão, tenho que "esquecer" seu pecado no sentido que não mais o atribuo a ele.
O perdão não é a remoção das consequências temporais de nosso pecado. O homem que assassina outro pode arrepender-se e procurar o perdão, mas ainda assim sofrerá o castigo temporal da lei humana. Mesmo se perdoado, pode ter que passar o resto de sua vida na prisão. O perdão remove as consequências eternas do pecado!
Como Posso Perdoar?
O pecado danifica as relações entre as pessoas como prejudica nossa relação com nosso Criador. A pessoa contra quem se pecou frequentemente se sente ferida, talvez irada pela injustiça do pecado cometido. O perdão é necessário para a cura espiritual da relação, mas precisamos preparar nossos corações para perdoar. Precisamos aceitar a injustiça do ferimento, a deslealdade do pecado, e ficarmos prontos para perdoar (observe os exemplos de Jesus e Estevão; Lucas 23:34; Atos 7:60). Mesmo se o pecador se recusar a se arrepender, não podemos continuar a nutrir a raiva, ou ela se tornará em ódio e amargura (veja Efésios 4:26-27,31-32). Ainda que o pecador possa manter sua posição como transgressor por causa de sua recusa a se arrepender, seu pecado não deverá dominar meu estado emocional.
E se o pecador se arrepender? Como posso aprender a perdoar? Jesus contou uma parábola sobre um servo que devia uma quantia enorme (10.000 talentos) ao seu rei (Mateus 18:23-35). Ele era incapaz de pagar a dívida e implorou ao rei por compaixão. O rei perdoou-o por sua enorme dívida, mas este servo prontamente saiu e encontrou um dos seus companheiros servos que devia a ele uma quantia relativamente pequena e exigiu pagamento, agarrando-o pelo pescoço. Ainda que o companheiro de servidão implorasse por compaixão, o credor entregou-o à prisão. Quando o rei foi informado dos atos de seu servo incompassivo, irou-se e reprovou este servo, entregando-o aos torturadores até que ele pagasse totalmente sua dívida. É claro que estamos representados na parábola pelo servo que tinha uma dívida enorme. Não há comparação entre as ofensas que temos cometido contra Deus e aquelas que têm sido cometidas contra nós. Jesus observou que, justo como no caso do servo não misericordioso, o Pai não nos perdoará por nossas infraçõe se não perdoarmos nossos companheiros (18:35; veja também Mateus 5:7).
Para nos prepararmos para perdoar, precisamos lembrar que nós mesmos somos pecadores e necessitados do perdão divino (Romanos 3:23). No caso do cristão, Deus já lhe perdoou uma imensa dívida no momento do batismo. Quando nos lembramos da grandeza da dívida que Deus quer nos perdoar, certamente podemos perdoar aqueles que nos devem muito menos em comparação (Efésios 4:32; Colossenses 3:13).
Texto recebido por internet - autor não identificado

domingo, 13 de junho de 2010

CONTRA QUEM LUTAMOS?

Um velho ermitão – uma dessas pessoas que por amor a Deus se retiram à solidão do deserto, do bosque ou das montanhas para somente dedicar-se à oração e à penitência – se queixava freqüentemente de ter demasiado trabalho.
Um dia uma das pessoas que o visitava, lhe perguntou:
– Como é possível que tenha tanto trabalho si está só no meio de nada?
O ermitão respondeu:
–Tenho que domesticar dois falcões, treinar duas águias, manter quietos a dois coelhos, vigiar uma serpente, insistir com um asno que se recusa a trabalhar e domar um leão.
O visitante olhou ao seu redor esperando ver algum dos animais, mas não viu nenhum.
– E onde estão todos esses animais? Perguntou.
Então o ermitão lhe respondeu que os animais estavam sempre com ele – o visitante não compreendeu de imediato, mas ficou com isso na cabeça e decidiu voltar um outro dia para que o velho lhe explicasse o significado dessa resposta.
– Esses animais – disse–lhe o ermitão – estão dentro de nós, todos os habitantes deste mundo os temos desde o nosso nascimento.
– Os dois falcões, que são os nossos olhos, se lançam sobre toda presa, seja boa ou má e temos que domesticá–los para que só se fixem nas coisas boas.
“Como o inferno e a perdição nunca se fartam, assim os olhos do homem nunca se satisfazem” Provérbios 27:20
“Tendo os olhos cheios de adultério, e não cessando de pecar, engodando as almas inconstantes, tendo o coração exercitado na avareza, filhos de maldição” 2 Pedro 2:14
“Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.” 1 João 2:16
As duas águias, que com suas garras ferem e destroçam, são as nossas mãos e temos que treiná–las para que se dediquem a servir aos demais e para que ajudem sem ferir.
“Aquele que furtava, não furte mais; antes trabalhe, fazendo com as mãos o que é bom, para que tenha o que repartir com o que tiver necessidade.” Efésios 4:28
“E procureis viver quietos, e tratar dos vossos próprios negócios, e trabalhar com vossas próprias mãos, como já vo-lo temos mandado;
Para que andeis honestamente para com os que estão de fora, e não necessiteis de coisa alguma.” 1Tessalonicenses 4:11 - 12
“Não deixes de fazer bem a quem o merece, estando em tuas mãos a capacidade de fazê-lo.” Provérbios 3:27
“O desejo do preguiçoso o mata, porque as suas mãos recusam trabalhar.” Provérbios 21:25

Os coelhos, que são os nossos pés, sempre querem ir aonde lhes apraze, fugir dos demais e se evadirem das coisas difíceis e temos que ensiná–los a estarem quietos ainda que haja sofrimentos, problemas ou qualquer coisa que lhes cause desgosto.
“Porque o SENHOR será a tua esperança; guardará os teus pés de serem capturados.” Provérbios 3:26
“Assim como não é bom ficar a alma sem conhecimento, peca aquele que se apressa com seus pés.” Provérbios 19:2
“Considerei os meus caminhos, e voltei os meus pés para os teus testemunhos.” Salmo 119:59
“Desviei os meus pés de todo caminho mau, para guardar a tua palavra.” Salmo 119:101

Mais difícil ainda é vigiar à serpente, que é a nossa língua, porque mesmo que se encontre encerrada numa gaiola de trinta e dois barrotes, apenas se abre a porta, sempre está pronta para morder e envenenar a todos os que a rodeiam. Se não a vigiamos de perto, pode fazer muito dano.
“Não consintas que a tua boca faça pecar a tua carne, nem digas diante do anjo que foi erro; por que razão se iraria Deus contra a tua voz, e destruiria a obra das tuas mãos?” Eclesiastes 5:6
“O ímpio se enlaça na transgressão dos lábios, mas o justo sairá da angústia.” Provérbios 12:13
“Cada um se fartará do fruto da sua boca, e da obra das suas mãos o homem receberá a recompensa.” Provérbios 12:14
“Se alguém entre vós cuida ser religioso, e não refreia a sua língua, antes engana o seu coração, a religião desse é vã.” Tiago 1:26
“1-MEUS irmãos, muitos de vós não sejam mestres, sabendo que receberemos mais duro juízo.
2 - Porque todos tropeçamos em muitas coisas. Se alguém não tropeça em palavra, o tal é perfeito, e poderoso para também refrear todo o corpo.
3 - Ora, nós pomos freio nas bocas dos cavalos, para que nos obedeçam; e conseguimos dirigir todo o seu corpo.
4 - Vede também as naus que, sendo tão grandes, e levadas de impetuosos ventos, se viram com um bem pequeno leme para onde quer a vontade daquele que as governa.
5 - Assim também a língua é um pequeno membro, e gloria-se de grandes coisas. Vede quão grande bosque um pequeno fogo incendeia.
6 - A língua também é um fogo; como mundo de iniqüidade, a língua está posta entre os nossos membros, e contamina todo o corpo, e inflama o curso da natureza, e é inflamada pelo inferno.
7 - Porque toda a natureza, tanto de bestas feras como de aves, tanto de répteis como de animais do mar, se amansa e foi domada pela natureza humana;
8 - Mas nenhum homem pode domar a língua. É um mal que não se pode refrear; está cheia de peçonha mortal.
9 - Com ela bendizemos a Deus e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus.
10 - De uma mesma boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não convém que isto se faça assim.
11 - Porventura deita alguma fonte de um mesmo manancial água doce e água amargosa?
12 - Meus irmãos, pode também a figueira produzir azeitonas, ou a videira figos? Assim tampouco pode uma fonte dar água salgada e doce.” Tiago3:1-12

O burro é muito teimoso, nunca quer cumprir com o seu dever. É o nosso corpo que sempre está cansado e lhe custa muitíssimo assumir e levar as cargas de cada dia.
“Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências” Romanos 6:12
“ Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; e com efeito o querer está em mim, mas não consigo realizar o bem” Romanos7:18
“Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço” Romanos7:19
“Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim.” Romanos 7:20
“24 - Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis.
25 - E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, uma incorruptível.
26 - Pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar.
27 - Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado.” I Coríntios 9:24-27
Finalmente precisamos domar o leão, que é o nosso coração. Ele quer ser rei, sempre quer ser o primeiro, é muito vaidoso e orgulhoso.
“12 - O homem mau, o homem iníquo tem a boca pervertida.
13 - Acena com os olhos, fala com os pés e faz sinais com os dedos.
14 - Há no seu coração perversidade, todo o tempo maquina mal; anda semeando contendas.” Provérbios 6:12-14
“Abominação ao SENHOR são os perversos de coração, mas os de caminho sincero são o seu deleite.” Provérbios 11:20
“DO homem são as preparações do coração, mas do SENHOR a resposta da língua.” Provérbios 16:1
“Abominação é ao SENHOR todo o altivo de coração; não ficará impune mesmo de mãos postas.” Provérbios 16:5
“ Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?” Jeremias 17:9
“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida.” Provérbios 4:23

Entendes agora quanto trabalho eu tenho
mesmo morando sozinho?

“Estas seis coisas o SENHOR odeia, e a sétima a sua alma abomina:
Olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente,
o coração que maquina pensamentos perversos,
pés que se apressam a correr para o mal,
a testemunha falsa que profere mentiras,
e o que semeia contendas entre irmãos.”
Provérbios6:16-19

terça-feira, 25 de maio de 2010

memorizar versículos bíblicos

Ajudas para memorizar fatos bíblicos e localizar versículos selecionados, capítulos, ensinos, etc.
Nota: Duas das melhores ajudas para a memorização são a repetição (re-pe-ti-ção) e a associação.
Para memorizar a localização de versículos importantes é de grande ajuda estar ao par das coincidências. Por exemplo, "os 3:16". A memória pode ser ajudada pela associação desta grande promessa com outros 3:16 que ocorrem nas Escrituras.
João 3:16 trata da maior promessa da Bíblia.
Provérbios 3:16, o imenso valor da sabedoria
Malaquias 3:16, as possessões preciosas do Senhor
Lucas 3:16, os dois batismos
Atos 3:16, o nome poderoso
I Coríntios 3:16, o templo do Espírito Santo
Colossenses 3:16, a Palavra de Deus mora no cristão
I Timóteo 3:16, o mistério da piedade
II Timóteo 3:16, o valor das Escrituras.
Os 2:10 de Jesus.
Lucas 2:10, o portador de gozo;
Efésios 2:10, o edificador do caráter;
Filipenses 2:10, o nome adorável;
Colossenses 2:10, o consumador da vida;
Hebreus 2:10, o capitão da nossa salvação;
Apocalipse 2:10, o outorgador de coroas.
0s 4:13 - os dons de Jesus:
Jo 4:13-14, satisfação;
Atos 4:13, transformação;
Efésios 4:13, inspiração;
Filipenses 4:13, poder;
I Tessalonicenses 4:13-14, consolação.
Algumas destas séries de textos ajudará à memória.
Atenção: o uso excessivo delas pode causar confusão.
Outras coincidências: O capítulo sete de Gênesis contém referências às águas da morte, enquanto no capitulo sete de João Jesus fala da água da vida, (v. 37).
Os capítulos das grandes admoestações podem ser facilmente associados pelo fato de serem o número três: Jeremias 23, Ezequiel 33, e Mateus 23.
Todos contêm admoestações a líderes religiosos.
Ultimas palavras, registradas:
De Jesus (sobre o poder), Atos 1:8.
De Tiago (sobre ganhar almas), Tiago 5:20.
De Pedro (sobre o crescimento), II Pedro 3:18.
De Judas (sobre o Apoio Divino), Judas 24-25.
De João (sobre a Graça Divina), Apocalipse 22:21.
Máximas para memorizar:
Terminar a obra da vida, João 17:4.
Estudantes da Bíblia, II Timóteo 2:15.
Mesa, I Corintios 10:31.
Pensamento, Filipenses 4:8.
Fazer planos, Tiago 4:15.

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Como ler a Bíblia

1. LEIA A BÍBLIA COM UM DESEJO SINCERO DE ENTENDÊ-LA. Não se contente apenas com a leitura das palavras das Escrituras. Procure assimilar a mensagem que elas contêm.
2. LEIA AS ESCRITURAS COM HUMILDADE E FÉ SIMPLES, SEMELHANTE A UMA CRIANÇA. Creia naquilo que Deus revela. A razão tem de se prostrar à revelação de Deus.
3. LEIA A PALAVRA DE DEUS COM UM ESPÍRITO DE OBEDIÊNCIA E AUTOAPLICAÇÃO. Aplique a si mesmo aquilo que Deus fala nas Escrituras e obedeça-Lhe em todas as coisas.
4. LEIA AS ESCRITURAS TODOS OS DIAS. Rapidamente perdemos a energia e o fortalecimento que recebemos do pão de cada dia. Temos de alimentar nossa alma diariamente do maná que Deus nos tem dado.
5. LEIA TODA A BÍBLIA DE MANEIRA ORDENADA. “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil.” Não conheço qualquer outra maneira melhor de lermos a Bíblia do que começarmos em Gênesis e lermos até Apocalipse, uma porção a cada dia, comparando Escritura com Escritura.
6. LEIA A PALAVRA DE DEUS COM SINCERIDADE E HONESTIDADE. Como regra geral, qualquer passagem da Escritura significa o que ela parece significar. Interprete cada passagem desta maneira simples, em seu contexto.
7. LEIA A BÍBLIA SEMPRE TENDO EM VISTA A PESSOA DE CRISTO. Toda a Bíblia fala a respeito dEle. Olhe para Cristo em todas as páginas da Bíblia. Ele se encontra ali. Se você deixar de vê-Lo em uma das páginas da Bíblia, precisará ler novamente aquela página.
Por J.C. Ryle.
Revisado pelo Rev. Gustavo Pereyra

quinta-feira, 13 de maio de 2010

A Missao da Igreja

A missão da igreja não é reformar o mundo, nem erradicar as suas práticas más.
Nosso único propósito é pregar o evangelho de Cristo. Se homens e mulheres chegarem a amar o Salvador, não há dúvida de que a conduta exterior deles será transformada. As seguintes palavras foram ditas por John Newton em uma conferência de pastores, em janeiro de 1778. Ele estava falando sobre como a igreja pode realizar transformações morais no mundo. Seus comentários se mostram tão apropriados hoje como o foram na sua época.
“O evangelho de Cristo, o glorioso evangelho do Deus bendito, é o único instrumento eficaz para transformar a humanidade. O homem que possui e sabe como utilizar esta grande e maravilhosa ferramenta, se posso fazer esta comparação, conseguirá facilmente aquilo que, de outro modo, seria impossível. O evangelho remove as dificuldades intransponíveis à capacidade humana: faz o cego ver e o surdo ouvir; amolece o coração de pedra; ressuscita aquele que estava morto em ofensas e pecados para um vida de retidão.
Nenhuma outra força, exceto a do evangelho, é suficiente para remover os imensos fardos de culpa de uma consciência despertada; para aquietar o ardor de paixões incontroláveis; para levantar uma alma mundana atolada no lamaçal da sensualidade e da avareza, para uma vida divina e espiritual, uma vida de comunhão com Deus.
Nenhum sistema, exceto o evangelho, é capaz de transmitir motivos, encorajamentos e perspectivas suficientes para resistir e frustrar todas as armadilhas e tentações com as quais o espírito deste mundo, com suas carrancas ou com seus sorrisos, se esforça para intimidar e afastar-nos do caminho do dever. Mas o evangelho, entendido corretamente e recebido com alegria, trará vigor ao desanimado e coragem ao temeroso. Tornará generoso o mesquinho, moldará a lamúria em bondade, amansará a fúria de nosso íntimo.
Em resumo, o evangelho dilata o coração egoísta, enchendo-o com um espírito de amor para com Deus, de obediência alegre e irrestrita para com a vontade dEle, bem como de benevolência para com os homens.”

Por John Newton. Tradução por Editora Fiel.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

E AS TATUAGENS?

Você já percebeu como a cada ano que passa o uso de enfeites que se aplicam no próprio corpo do indivíduo têm crescido na sua aceitação? Virou “moda”, mundialmente aceita, o uso de tatuagens e piercings (altamente invasivos e mutiladores do corpo)...
Qual será o objetivo por trás dessa “moda”?
Continuemos com a revelação do livro de Apocalise 13:16-18
“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis”
“Um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas” – o fatídico “sinal da besta” (o “666”) – muito explorado nos filmes de suspense / terror holliwoodianos.
Mas quando o Anticristo governar o mundo unido, não será um filme, será um sinal real, concreto. A tecnologia para que isso se torne possível já existe – marcas de “barras de leitura eletrônica”, microchips injetáveis (subcutâneos), etc. – alguém poderá dizer:
“mas a população não vai aceitar essa imposição!”

Será que essa reação aconteceria? ? ? . . . .

Voltemos para a questão da “moda” das tatuagens e piercings, aplicações “estéticas” totalmente invasivas (mutila-se o corpo), por enquanto ainda há umas poucas pessoas que acham tudo isso repulsivo, em breve
a totalidade da humanidade aceitará como coisa corriqueira esse uso no próprio corpo, acrescentando-se a questão das vantagens no dia-a-dia (tal marca poderá ser usada para abrir fechaduras, ligar o carro [tornando obsoleto o uso de chaves], dar acesso a serviços e usos pessoais – Internet, contas bancárias, substituir “a penca de documentos” [CPF,RG, passaportes], etc)...quem então irá reclamar de uma marca assim?
Quem irá se opor?
”E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas...”
E ainda é preciso levar em consideração o fato que tal marca haverá de ser obrigatória e imprescindível:
“...para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome”
Percebeu como o cenário para que essa imposição aconteça sem oposição por parte dos cidadãos já está preparado há muito tempo? Você ainda acha que haverá quem rejeite a tal marca da besta? – com toda certeza a grande massa da população mundial dará as boas-vindas para essa marca!!! (porque a grande maioria da população já aceitou que marcar-se no corpo [tatuagens] é “até bonito”!!!)
Mas observe o que está escrito em Apocalipse 14:9-11
“E seguiu-os o terceiro anjo, dizendo com grande voz:
Se alguém adorar a besta, e a sua imagem,
e receber o sinal na sua testa, ou na sua mão,
também este beberá do vinho da ira de Deus,
que se deitou, não misturado, no cálice da sua ira;
e será atormentado com fogo e enxofre
diante dos santos anjos e diante do Cordeiro.
E a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre;
e não têm repouso nem de dia nem de noite
os que adoram a besta e a sua imagem,
e aquele que receber o sinal do seu nome”
Quem receber tal marca terá, em vida, assinado e selado a sua condenação eterna ! ! !Prezado irmão, irmã: Que o Senhor lhe guie à conclusão . . . a “moda” das tatuagens e piercings não é algo que está acontecendo aleatoriamente, faz parte do grande plano do Inimigo das nossas almas para alcançar o seu objetivo: dominar a humanidade e levar a maior quantidade possível de seres humanos para longe de Deus. Por essa razão, nós como cristãos não podemos aceitar, nem como “brincadeira”, marcas (mesmo que passageiras) no nosso corpo que é Templo do Espírito Santo, penhor da nossa Salvação.

Esta abordagem às tatuagens é parte integrante do livrete “DIZE-NOS, QUANDO SERÃO ESSAS COISAS, E QUE SINAL HAVERÁ DA TUA VINDA E DO FIM DO MUNDO?” Estudo Bíblico preparado pelo Reverendo Gustavo Pereyra

JOÃO FERREIRA DE ALMEIDA (1628-1691) - BIOGRAFIA

João Ferreira d'Almeida (português europeu) ou João Ferreira de Almeida (português brasileiro) (Torre de Tavares, Portugal, 1628 — Java, Indonésia, 1691) foi uma importante personalidade do protestantismo português, especialmente conhecido por ter traduzido a Bíblia para a língua portuguesa.
Anos Iniciais
Filho de pais católicos, João Ferreira de Almeida nasceu na localidade de Torre de Tavares, concilio de Mangualde, em Portugal. Ficou órfão ainda criança e veio a ser criado na cidade de Lisboa por um tio que era membro de uma ordem religiosa. Pouco se sabe sobre a infância e início da adolescência de Almeida, mas afirma-se que teria recebido uma excelente educação visando a sua entrada no sacerdócio. Não se sabe o que teria levado Almeida a sair de Portugal, mas talvez isso se devesse à forte influência exercida pela Inquisição em Portugal. Viajou para a Holanda e, aos 14 anos, embarcou para a Ásia, passando pela Batavia (atual Jacarta), na ilha de Java, Indonésia. Naquela época, a Batávia era o centro administrativo da Companhia Holandesa das Índias Orientais, no sudeste da Ásia.
Tradutor da Bíblia
Dois anos mais tarde, João Ferreira de Almeida lançou-se num enorme projeto: a tradução do Novo Testamento para o português usando como base parte dos Evangelhos e das Cartas do Novo Testamento em espanhol da tradução de Reyna Valera, 1569. Almeida usou também como fontes nessa tradução as versões: Latina (de Beza), Francesa (Genebra, 1588) e Italiana (Diodati, 1641) - todas elas traduzidas do grego e do hebraico. O trabalho foi concluído em menos de um ano quando Almeida tinha apenas 16 anos de idade. Apesar da sua juventude, enviou uma cópia do texto ao governador geral holandês, em Batávia. Crê-se que a cópia teria sido enviada para Amsterdão mas que o responsável pela publicação do texto faleceu resultando no desaparecimento do trabalho de Almeida. Em 1651, ao lhe ser solicitada uma cópia da sua tradução para a Igreja Reformada na ilha de Ceilão, (atual Sri Lanka), Almeida descobriu que o original havia desaparecido. Lançando-se de novo ao trabalho, partindo de uma cópia ou rascunhos anteriores do seu trabalho, Almeida concluiu no ano seguinte uma versão revista dos Evangelhos e do livro de Atos dos Apóstolos. Em 1654, completou todo o Novo Testamento mas, uma vez mais, nada foi feito para imprimir a tradução, sendo realizadas apenas algumas poucas cópias manuscritas.
Almeida entrou no ministério da Igreja Reformada Holandesa, primeiramente como "visitador de doentes" e, em seguida, como "pastor suplente". Em 1656, foi submetido a exame em matérias teológicas e, tendo sido aprovado, foi ordenado para o ministério pastoral e missionário. Serviu primeiro em Ceilão e depois na Índia, sendo considerado um dos primeiros missionários protestantes a visitar aquele país. Visto que servia como missionário convertido, ao serviço de um país estrangeiro, e ainda devido à exposição direta do que considerava ser doutrinas falsas da Igreja Católica, bem como à denúncia de corrupção moral entre o clero, muitos entre as comunidades de língua portuguesa passaram a considerá-lo apóstata e traidor. Esses confrontos resultaram num julgamento por um tribunal da Inquisição em Goa, Índia, em 1661, sendo sentenciado à morte por heresia. O governador geral da Holanda chamou-o de volta a Batávia, evitando assim a consumação da sentença.
Em 1676, Almeida apresentou o seu trabalho de tradução do Novo Testamento ao consistório da Igreja Reformada em Batávia, para revisão. As relações entre Almeida e os revisores da tradução ficaram tensas, especialmente devido a diferenças de opinião sobre o significado de algumas palavras e sobre o estilo do português usado. Isto resultou em grandes demoras no trabalho de revisão, sendo que quatro anos depois ainda se discutiam os capítulos iniciais do Evangelho de Lucas. Almeida decidiu assim, sem o conhecimento dos revisores, enviar uma cópia para a Holanda visando a sua publicação. Apesar da reação negativa do consistório em Java, a versão em português do Novo Testamento foi finalmente impressa em Amesterdão, em 1681, tendo as cópias chegado à Ásia no ano seguinte. No entanto, os revisores conseguiram fazer valer a sua posição, introduzindo alterações ao trabalho de Almeida. O governo holandês concordou com a insatisfação de Almeida e mandou destruir toda a primeira impressão. Ainda assim, Almeida conseguiu salvar algumas cópias sob a condição de que, até nova impressão, os erros principais fossem corrigidos à mão.
Os revisores em Batávia reuniram-se novamente para completar a verificação do Novo Testamento e avançar para o Velho Testamento à medida que Almeida fosse completando. Em 1689, já com a saúde bastante abalada, Almeida deixou o trabalho missionário para se dedicar em pleno ao trabalho de tradução. Veio a morrer em 1691 enquanto traduzia o último capítulo de Ezequiel. Coube ao seu amigo Jacobus op den Akker completar a tradução em 1694.
Tradução após a Morte de Almeida
A segunda edição do Novo Testamento em português, revista pouco antes da morte de Almeida, veio a ser publicada em 1693. No entanto, alguns historiadores afirmam que, uma vez mais, esta segunda edição foi desfigurada pela mão dos revisores. Perdendo-se a motivação para a continuação do trabalho de tradução da Bíblia para o português na Ásia, foi a pedido dos missionários dinamarqueses em Tranquebar, sul da Índia, que uma sociedade inglesa, a Society for Promoting Christian Knowledge, em Londres, financiou a terceira edição do Novo Testamento de Almeida, em 1711. Durante o Século XIX, a British and Foreign Bible Society e a American Bible Society distribuíram milhares de exemplares da versão de Almeida em Portugal e nas principais cidades do Brasil. Isto resultou em tornar a Tradução João Ferreira de Almeida um dos textos mais populares das Escrituras em língua portuguesa, sendo especialmente usada pelos evangélicos lusófonos.
Atualmente é editada no Brasil principalmente pela Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil.
Fonte: Wikipédia.

Só Jesus Cristo é o Senhor
http://protestantismo.ieadcg.com.br

TEORÍA DAS JANELAS QUEBRADAS

Em 1969, na Universidade de Stanford (EEUU), o Prof. Phillip Zimbardo realizou uma experiência de psicologia social. Deixou dois automóveis abandonados na rua, dois automóveis idênticos, a mesma marca, modelo e até a cor.. Um foi deixado no Bronx, na época, uma zona pobre e conflitiva de Nova Iorque e o outro em Palo Alto, uma zona rica y tranqüila de California.
Dois automóveis idênticos abandonados, dois bairros com populações muito diferentes e uma equipe de especialistas em psicologia social estudando as condutas das pessoas em ambos os lugares. O resultado foi que o carro abandonado no Bronx começou a ser vandalizado em poucas horas. Ficou sem os pneus, sem motor, sem os espelhos, o rádio, etc. Todo o que podia ser levado sumiu, e o resto o destruíram. Já o carro abandonado em Palo Alto se manteve intacto...
É comum atribuir à pobreza as causas da delinqüência. Atribuição na que coincidem as posições ideológicas mais conservadoras, (de direita e de esquerda). Todavia, a experiência em questão não terminou aí, quando o carro abandonado no Bronx já estava totalmente vandalizado o de Palo Alto levava uma semana intacto, os investigadores quebraram um vidro de uma das janelas do carro de Palo Alto.
O resultado foi que se iniciou o mesmo processo que ocorrera antes no Bronx, e o roubo, a violência e o vandalismo reduziram o veículo ao mesmo estado que aquele no bairro pobre. Por que o vidro quebrado no automóvel abandonado numa vizinhança supostamente segura foi capaz de disparar todo um processo delitivo?
Não se trata de pobreza. Evidentemente é algo que tem a ver com a psicologia humana e com as relações sociais. Um vidro quebrado num carro abandonado transmite a idéia de deterioro, de desinteresse, de despreocupação, de algo que vai quebrando códigos de convivência, como de ausência de lei, de normas, de regras, como num “vale tudo”. Cada novo ataque que sofre o automóvel abandonado reafirma e multiplica essa idéia, até que a escalada de atos cada vez piores se torna incontrolável, levando as pessoas a uma violência irracional.
Em experiências posteriores (James Q. Wilson y George Kelling), desenvolveram a 'teoria das janelas quebradas', a qual conclui, que desde um ponto de vista criminológico, o delito é maior nas zonas onde o descuido, a sujeira, a desordem e o maltrato são maiores.
Quando se quebra um vidro de uma janela de um prédio e ninguém o conserta, em breve estarão quebrados todos os restantes. Se uma comunidade exibe sinais de deterioro e isto parece não importar-lhe a ninguém, então ali se gerará o delito.
Se se cometem “pequenas faltas” (estacionar em lugar proibido ou reservado, exceder o limite de velocidade ou atravessar com o sinal vermelho) e essas infrações não são sancionadas, então se seguirão faltas maiores e em breve delitos cada vez mais graves. Se se permitem atitudes violentas como algo normal no desenvolvimento das crianças, essa “norma de crescimento” levará a uma maior violência quando essas pessoas chegarem à idade adulta.
Se os parques e outros espaços públicos deteriorados são progressivamente abandonados pela maioria das pessoas (que deixa de sair das suas casas por temor às gangues), esses mesmos espaços abandonados pela população serão progressivamente ocupados pelos delinqüentes.
A teoria das janelas quebradas foi aplicada pela primeira vez a meados da década dos 80 no metro de Nova Iorque, o qual se havia convertido no ponto mais perigoso da cidade. Se começou por combater as pequenas transgressões: pichações que tornavam o lugar detestável, a sujeira nas estações, a embriaguez em público, os “jeitinhos” para evitar o pagamento das passagens, pequenos roubos e desordens. Os resultados foram evidentes. Começando pelo pequeno se conseguiu fazer do metro um lugar seguro.
Posteriormente, em 1994, Rudolph Giuliani, prefeito de Nova Iorque, baseado na teoria das janelas quebradas e na experiência do metrô, iniciou uma política de “tolerância zero”.
A estratégia consistia em criar comunidades limpas e em ordem, não permitindo transgressões à lei e às normas de convivência urbana.
O resultado prático foi uma enorme diminuição de todos os índices criminais da cidade de Nova Iorque.
A expressão “tolerância zero” soa como uma solução do tipo autoritária e repressiva, mas seu conceito principal é pelo contrário a prevenção e promoção de condições sociais de segurança.
Não se trata de linchar o delinqüente, nem de prepotência policial, de fato, a respeito dos abusos de autoridade, também deve de se aplicar a tolerância zero.
Não é tolerância zero frente à pessoa que comete o delito, mas tolerância zero frente ao delito em si. Se trata de criar comunidades limpas, ordenadas, respeitosas da lei e dos códigos básicos da convivência social humana.
Frente à quantidade de mentiras e medíocres explicações dadas por alguns de nossos governantes de turno, diretores de instituições educativas, chefes e líderes comunitários sobre este tema, é bom voltar a ler esta teoria e de passo, difundi-la.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Os homens dos últimos dias

Quem não fica chocado ao saber de tragédias familiares?
Quantos pais e mães ficaram até com temor dos próprios filhos?
Tu mesmo, não tens ouvido nas conversas dos teus vizinhos, conhecidos e até dos estranhos, que “não se pode mais confiar nem nos filhos da gente”?
O que está acontecendo com as pessoas? O que está acontecendo com o mundo? Por que razão filhos e filhas se voltam contra os seus próprios pais e são capazes de até assassiná-los?
De onde vem tanta maldade?
São estas e muitas outras perguntas que nos assaltam quando escutamos notícias estarrecedoras de filhos que maltratam e até matam a seus próprios pais...E as pessoas em geral ficam perplexas, sem saber o que fazer ou dizer...e ai, apelam para os chamados “profissionais”, pessoas que, pelo fato de terem cursado uma faculdade, são tidas como autoridades na área familiar ou da criação dos filhos... “profissionais” que, se fossem investigados, revelariam filhos com tantos ou mais problemas que os seus “pacientes”!
A verdade é que esses mesmos profissionais procuram respostas à situação e acabam tendo opiniões e posicionamentos opostos entre si.
O que fazer afinal?
Tempo atrás ouvi o pronunciamento de um renomado teólogo, ele disse muito sentimentalmente “As pessoas hoje estão pedindo colo” – e é mesmo...é isso o que as pessoas pedem...
é colo o que pede o proprietário da casa construída sem alicerces sobre a areia, quando esta desaba lhe trazendo a ruína...
Esse teólogo afirmou “As pessoas hoje estão pedindo colo” Mas esse mesmo teólogo esqueceu o que a Palavra de Deus diz em Jó 35:9-10 “Por causa das muitas opressõesos homens clamam por causa do braço dos grandes. Porém ninguém diz: Onde está Deus que me criou” E nos versículos 12 e 13 diz: “Clamam, porém ele não responde, por causa da arrogância dos maus. Certo é que Deus não ouvirá a vaidade, nem atentará para ela o Todo-Poderoso”
Isso nos leva a perceber que é muito certo aquilo que está registrado em Lamentações 3:39
“De que se queixa, pois,o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus pecados”
Há ainda nas Sagradas Escrituras passagens como Gálatas 6:7 “Não erreis:Deus não se deixa escarnecer; Porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará “Tudo o que está acontecendo, a razão pela qual as pessoas chegam a sentir “a necessidade de um colo”,
é exatamente por isto que a Bíblia nos mostra...o homem está colhendo o que plantou.
Esta afirmação bíblica pode ser vista como sendo particular para cada um de nós ou como enquadrando a toda a humanidade: Cada um de nós está colhendo o que plantou na sua vida e a humanidade está colhendo o que plantou durante toda a sua história!!! As profecias bíblicas como II Timóteo 3, se cumprem por causa da maldade humana, o apóstolo Paulo disse ao jovem Timóteo que nos últimos dias os homens seriam:
“...1. amantes de si mesmos 2. avarentos, presunçosos 3. soberbos 4. blasfemos 5. desobedientes a pais e mães 6. ingratos 7. profanos 8. Sem afeto natural 9. Irreconciliáveis 10. Caluniadores 11. Incontinentes 12. Cruéis 13. sem amor para com os bons 14. Traidores 15. Obstinados 16. Orgulhosos 17. mais amigos dos deleites do que amigos de Deus 18. Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela....”
Diante de um retrato tão malvado dos homens dos últimos dias cabe a pergunta...mas como é que todas essas 18 características poderiam estar presentes em uma geração?
A resposta é que “essa colheita, essa safra”, essa leva de gente assim, não se obteve de um momento ao outro...Uma geração assim, com tantas características malignas é o resultado de uma seleção gradativa, histórica, de tudo aquilo que a humanidade tem plantado em todas as épocas...Nós não chegamos a esse ponto de um dia para o outro...A situação atual é o resultado de um afastamento de Deus que a humanidade tem praticado desde a queda de Adão e Eva.
A humanidade está colhendo o que plantou! Por isso muitos desvanecem e “querem colo”... mas não se percebe nas pessoas sinais de arrependimento, não há quem queira endireitar a sua vida...todos querem soluções, mas sem procurar ao Criador.
As pessoas “querem colo”mas não querem largar o pecado...!!! O adolescente que hoje é capaz de se levantar contra seu próprio pai ou mãe, é responsável sim pelos seus atos, todavia não é ele o único a ser condenado, um dia quando nasceu, era um bebezinho que precisava ser encaminhado segundo a vontade do Criador . . . E foram esses mesmos pais que falharamna educação do filho, criaram-no “livre e sem preconceitos”, e ao chegar à adolescência não há quem segure o guri!!! – ele é ruim? Com certeza, seu coração é como um terreno baldio tomado pelo inço!!! Por que? Porque os que deviam capinar o terreno, podar as plantas, não o fizeram quando foi preciso.
Em milhões e milhões de casos ao redor do mundo, as crianças cresceram sem a direção apropriada, sendo criadas por pais que nunca lhes falaram de Deus, muito menos da sua Palavra. Assim, quando acabam fazendo aquilo que é condenável...não são capazes de mostrar nem remorso...seus próprios pais as criaram dessa maneira...aprenderam a agir desse modo desde pequenos. O homem termina por ceifar aquilo que plantou!
Tu que és pai, tu que és mãe...o que tens semeado no coração da tua criança? Tens te preocupado por plantar nelea Palavra de Deus? Tens procurado fazer o que está escrito em Provérbios 22:6?
“Educa a criança no caminho em que deve andar;e até quando envelhecer não se desviará dele”
Tu que és pai...tu que és mãe, Deus colocou nas tuas mãos a grande responsabilidade de guiar os teus filhos pelo caminho que Deus traçou...É a Palavra de Deus o padrão na tua vida? Na vida da tua família? Assim como foi na vida de Timóteo: Na 2ª epístola Paulo lhe diz no capítulo 3: 14-17 “Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste,e de que foste inteirado,sabendo de quem o tens aprendido, e que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus. Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra”
É assim que queres a tua vida e a dos teus filhos?
A mensagem de esperança para a tua vida é exatamente esta frase:
“as sagradas Escrituras podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus”
Esta é a promessa para todo aquele que desde já, crê em Jesus, o Unigênito Filho de Deus, que veio buscar os perdidos, e chamar a todos ao arrependimento para salvação, Ele deu a sua vida pelos pecadores, Jesus sofreu, derramou o seu sangue na cruz do Calvário e morreu para que os pecados sejam perdoados, e ao terceiro dia ressuscitou para dar a vida eterna a todos os que crêem, disto depende o destino eterno de cada ser humano.
Crê nisto e serás salvo tu e toda a tua casa!

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Só por CONCURSO!

Um sujeito vai visitar um amigo de infância, hoje deputado e aproveita para lhe pedir um emprego para o filho que tinha acabado de completar o supletivo do primeiro grau.
Eu tenho uma vaga de assessor, só que o salário não é muito bom..
Quanto é doutor?
Pouco mais de dez mil reais!
Dez mil? Mas é muito dinheiro para o garoto! Ele não vai saber o que fazer com tudo isso, arrisca o guri cair na farra, nas drogas, não doutor! Não tem uma vaguinha mais modesta?
O deputado pensa um pouco e diz:
Só se for para trabalhar na Assembléia. Meio período...mas lá, eles só estão pagando cinco mil!
Ainda é muito, doutor! Isso vai acabar estragando o menino! O Senhor não tem um emprego
que pagasse uns mil ou até mil e duzentos reais?
A resposta foi rápida:
Ter eu até tenho. Mas aí é só por concurso e é para quem tem curso superior em Engenharia, Administração, Medicina, Economia, Direito ou Contabilidade, etc. E ainda tem que ter bons conhecimentos em informática, além de Inglês, Francês e Espanhol fluentes... viu? Esse aí não daria pro seu menino...
Pois é, doutor...então vai de assessor mesmo, né?
Bom, falando sério...
Esta estorinha caricaturiza a vida real...ou não?

A CIGARRA E A FORMIGA

A cigarra e a formiga
VERSÃO CLÁSSICA
- A formiga trabalha de sol a sol durante todo o verão sob um calor escaldante.- Constrói a sua casa e se aprovisiona de víveres para o inverno.- A cigarra pensa que a formiga é tonta e passa o verão rindo, dançando e brincando.- Quando chega o inverno, a formiga se refugia em sua casinha onde tem todo o que lhe faz falta até a primavera. - A cigarra, tremendo, sem comida e sem abrigo, morre de frio.
George De La Fontaine – fabulista francês
Moral da história: "quem não trabalha não come"
(compare com "Porque, quando ainda estávamos convosco, vos mandamos isto,
que, se alguém não quiser trabalhar, não coma também" II Tessalonicenses 3:10)
VERSÃO MODERNA ("politicamente correta")
- A formiga trabalha de sol a sol durante todo o verão sob um calor escaldante.
- Constrói a sua casa e se aprovisiona de víveres para o inverno.- A cigarra pensa que a formiga é tonta e passa o verão rindo, dançando e brincando.
- Quando chega o inverno, a formiga se refugia em sua casinha onde tem todo o que lhe faz falta até a primavera.- A cigarra, tremendo, sem comida e sem abrigo, decide organizar uma coletiva de imprensa na qual questiona por que a formiga tem o direito a casa e comida, quando há outros, com menos sorte que ela, que passam frio e fome.
A televisão organiza um programa ao vivo no qual a cigarra aparece passando frio, em cenas realmente chocantes, e ao mesmo tempo mostra-se trechos de um vídeo feito por um vizinho da formiga (que não quis se identificar) desfrutando do calorzinho na sua casa e a sua mesa com fartura de comida.
Todo mundo se surpreende de que num país próspero como o deles deixem sofrer à pobre cigarra enquanto outros “vivem na abundância”. Os vários canais de televisão exploram ao máximo a situação, durante o dia inteiro se mostram trechos da vida da cigarra, desde os seus momentos de alegria e felicidade contagiantes (contrapostos a trechos da vida da formiga em que aparece mal-humorada pelo trabalho excessivo)...o povo já canta pelas ruas a toadinha da cigarra, o melô da cigarra, o funk da cigarra...e todo mundo chora ao ver trechos da situação atual da cigarra: magra, passando frio e fome...
As associações contra a pobreza, a Comissão de Direitos Humanos e diversas ONGs fazem manifestações diante da casa da formiga, a população precisa ser contida pela tropa de choque dos besouros, as manifestações são transmitidas ao vivo pela TV. No dia seguinte a casa da formiga aparece toda pichada.
Os jornais publicam artígos nos que questionam como a formiga se tem enriquecido mais do que a cigarra. Se instala uma CPI, a vida da formiga é vasculhada “com lupa”, o público opina mandando torpedos às centrais telefônicas (só 35 centavos o minuto! – milhões ligam mas ninguém se pergunta em que bolsos esse dinheiro todo irá parar) opinam também nos sites on line, através de uma engenhosa pergunta onde têm que escolher se são “a favor da igualdade ou da discriminação (entendendo discriminação como “a egoísta e insensível” formiga)”
Respondendo às enquetes de opinião, o congresso se pronuncia favorável a uma Lei sobre a igualdade econômica e uma Lei Anti-discriminação – aplicável somente às camadas populares da sociedade (é claro!).O Ministério da Receita Federal devassa a declaração de impostos da formiga, e lhe aplica uma altíssima multa porque no se fez cargo da cigarra durante o inverno.
A formiga decepcionada, faz as suas malas e se muda a outro país, onde sabe que poderá desfrutar livremente dos frutos do seu trabalho... onde não será julgada nem castigada por ter seus esforços bem sucedidos.
A antiga casa da formiga se transforma num albergue social para cigarras.
O tempo passa e as cigarras, irresponsavelmente se reproduzem e esperam que o serviço social chegue com os donativos de alimentos e os recursos para “sobreviver dignamente”.
O governo começa a ser criticado por não disponibilizar os meios necessários “para os mais necessitados”. Os partidos propõem uma “comissão de investigação pluripartidária”, que custará “só” para início: 10 milhões de dólares!!!
Entretanto a cigarra morre devido a uma overdose, no quarto que, tempo atrás, havia pertencido à formiga. O local, outrora limpo e arejado, está irreconhecível pelo lixo acumulado (caixas de comida e latas de cerveja).
Os meios de comunicação comentam o fracasso do governo para corrigir as desigualdades sociais e a injustiça econômica..
A casa termina ocupada por um bando de aranhas imigrantes.
QUALQUIER SEMELHANÇA COM ALGUMA REALIDADE EM NOSSO PAÍS, É DESDE JÁ. . . a pura e crua verdade...
COMENTARIOS:Haverá quem se identifique com a formiga e outros com a cigarra... Mas o certo é que enquanto se apóie e divulgue um sistema que dê abrigo a cigarras folgadas, e se sustente com dinheiro público aos espertalhões líderes de “movimento dos sem....” (preencha como desejar), espertalhões esses que se dedicam a atravancar o desenvolvimento natural dos que obtêm o sucesso com seu próprio esforço...continuaremos sendo o país “do futuro” (das cigarras – não das formigas!!!)