Seguidores

Arquivo do blog

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Onde Estão os Mortos? (1)

O que acontece com a alma quando uma pessoa morre? O que diz a Bíblia?
Certamente aqueles que passarem certo tempo refletindo sobre a vida chegarão à conclusão que existe muito mais sobre o homem do que a realidade física e material. A experiência mostra que existe um ser totalmente único e abstrato associado com cada indivíduo e que se expressa por meio da capacidade de pensar e raciocinar. Sendo assim, o "verdadeiro eu" é uma pessoa imaterial — aquela personalidade — que utiliza impulsos elétricos no cérebro e é uma entidade distinta do próprio corpo. É pelo reconhecimento desse fato que a ciência médica geralmente define a vida como um estado de existir atividade cerebral.
Essa força misteriosa que chamamos de "vida" é algo que o homem não pode duplicar. Cada ser vivo a tem — cada folha de grama, cada inseto, cada animal — e podemos apenas observar sua duração e notar sua partida inevitável. Mas de onde ela se origina e para onde vai? É evidente que a vida gera a vida, em um ciclo aparentemente infindável e que termina de forma abrupta no que chamamos "morte". Mas é esta curta existência tudo o que existe? A Bíblia nos diz que existe muito mais envolvido do que aquilo que pode ser obtido por meio da observação científica.
No livro do Gênesis, encontramos o seguinte enunciado sobre a origem do homem:
"E o SENHOR Deus formou o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente." [Gênesis 2:7].
A seguir, no livro dos Salmos, o rei Davi falou sobre o papel de Deus em sua própria criação:
"Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem. Os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui feito, e entretecido nas profundezas da terra." [Salmos 139:14-15].
Então, a vida humana que conhecemos começou com a criação de Adão por Deus — na qual a própria força da vida foi dada e passada para nós por meio de uma interminável seqüência de procriação. As plantas e os animais também receberam a vida, mas não foram dotados com as faculdades humanas da razão e da consciência. (É verdade que alguns animais mostram uma habilidade rudimentar de raciocínio, mas estão ainda muito longe de uma simples criança.) Essa capacidade de pensar e de se comunicar diferencia os seres humanos dos animais e estabelece para cada um de nós uma personalidade distinta. A teologia vai então além e define o homem como um ser dual, constituído por corpo e espírito — material e imaterial. A diferença entre alma e espírito (termos constantemente usados como sinônimos) é que a "alma" pode se referir tanto aos aspectos materiais como imateriais, enquanto "espírito" é estritamente imaterial — não inclui o corpo.
Nossos pensamentos, raciocínio e ações revelam quem realmente somos. A Bíblia refere-se a isso tudo como sendo nosso "coração" — nosso ser interior, nossa "alma" — a essência imaterial do próprio ser que existirá para sempre à vista de Deus que nos criou. Assim, quando ele retira a força vital na "morte", o corpo pára de funcionar e retorna para o pó, de onde foi formado, mas, de acordo com a Palavra de Deus, nossa imperecível alma/espírito continua viva! Onde ela passará a eternidade é o ponto de nossa discussão.Como em todo caso nas Escrituras, devemos juntar tudo que elas têm a dizer antes de chegarmos a uma conclusão. O Antigo Testamento diz que os mortos vão para o sheowl — ou "seol", — termo hebraico para sepultura, ou o lugar dos mortos. No Novo Testamento, a palavra grega equivalente é haides, ou "Hades". (Na maioria das vezes, a tradução de João Ferreira de Almeida traduz ambos os termos com "inferno").

Nenhum comentário:

Postar um comentário