Seguidores

quinta-feira, 29 de março de 2012

VOCÊ PERGUNTA – A BÍBLIA RESPONDE

Recebi algumas perguntas de certa pessoa muito querida, mas que, sem o conhecimento bíblico adequado, ficou "meio perdida" (como ela mesma disse).
Compartilho aqui os seus questionamentos com as respostas baseadas na Palavra de Deus.
Pergunta: Temer o inferno e os castigos oriundos do pecado cometido é uma forma de temer a Deus ou prova de que se crê em Jesus e no que ele pregou?
Resposta: O inferno não é para ser temido, pois é um estado, um local (objeto). O Senhor Jesus nos ensina a quem devemos temer (pessoa/sujeito):
“E digo-vos, amigos meus: Não temais os que matam o corpo e, depois, não têm mais que fazer. Mas eu vos mostrarei a quem deveis temer; temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno; sim, vos digo, a esse temei” Lucas 12: 4 - 5
Mas quem é “aquele/esse” a quem devemos temer?
O apóstolo João, nos diz no Livro das Revelações:
“E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam sobre a terra, e a toda a nação, e tribo, e língua, e povo, Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas” Apocalipse 14: 6 - 7
Porém, devemos assumir esta palavra nas suas acepções de respeito e reverência não no sentido de pavor ou pânico
“E disse ao homem: Eis que o temor do Senhor é a sabedoria, e apartar-se do mal é a inteligência” Jó 28: 28
“O temor do SENHOR é o princípio do conhecimento; os loucos desprezam a sabedoria e a instrução” Provérbios 1: 7
“O temor do SENHOR é odiar o mal; a soberba e a arrogância, o mau caminho e a boca perversa, eu odeio” Provérbios 8: 13
“O temor do SENHOR encaminha para a vida; aquele que o tem ficará satisfeito, e não o visitará mal nenhum” Provérbios 19: 23
Como se percebe nestas passagens, o temor do Senhor é diametralmente diferente ao pavor ou pânico que o homem pode sentir. É claro que “o temor do Senhor” é algo que Ele mesmo coloca nos seus eleitos, este temor que encaminha para a vida (saudável) é graça infusa na alma do cristão em nada semelhante ao pavor ou pânico que o descrente experimenta diante do Criador ou do desconhecido (Neste sentido, o homem verdadeiramente corajoso é o homem temente a Deus: “Os ímpios fogem sem que haja ninguém a persegui-los; mas os justos são ousados como um leão” Provérbios 28: 1)
O temor do Senhor = “do” – partícula que exprime a origem (Deus = agente), mas se vemos pela ótica do homem (paciente) se entende “ao” (“temor ao Senhor”)
O cristão autêntico recebeu de Deus a graça de teme-lO – o que, em doutrina apostólica significa “a graça para amar a Deus” reconhecendo-O como Pai
“Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus. Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai” Romanos 8: 14 - 15
“Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação” II Timóteo 1: 7
Por tudo isto, o apóstolo João afirma:
“No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor” I João 4: 18
Pergunta: Crer no castigo é crer na Teoria da Criação?
(Esta pergunta foi meio inconexa mas mesmo assim procurei respondé-la)
Resposta: Para o cristão a criação é um fato - não uma teoria
“Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem. Porque por ela os antigos alcançaram testemunho. Pela fé entendemos que os mundos pela palavra de Deus foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente”
Hebreus 11:1- 3
Não ter esta certeza só prova que ainda não se é cristão
“Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam” Hebreus 11:6
Sobre a criação a Palavra de Deus nos diz:
“Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele” Colossenses 1: 16 - 17
E também
“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez” João 1: 1 - 3

Pergunta: Crer no castigo é...basta arrepender-se por temer os castigos que virão?
Resposta: João o Batista, primo do Senhor Jesus, teve o maior dos ministérios encarregado a um profeta: preparar o caminho na frente do Senhor. Ele pregava o arrependimento porque o reino estava próximo
“E, vendo ele muitos dos fariseus e dos saduceus, que vinham ao seu batismo, dizia-lhes: Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira futura?” Mateus 3:7
Os fariseus e saduceus eram duas das principais seitas judaicas da época do Senhor Jesus, e a eles o Batista advertiu:
“Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento; e não presumais, de vós mesmos, dizendo: Temos por pai a Abraão; porque eu vos digo que, mesmo destas pedras, Deus pode suscitar filhos a Abraão” Mateus 3: 8 - 9

Por outro lado, a própria Palavra do Senhor nos ensina que o temor (pavor/pânico) que o homem natural sente diante do Criador ou das coisas desconhecidas o leva a mostrar um comportamento religioso – o que aos nossos olhos pode parecer agradável e bom (pois nós vemos o exterior e não o coração como Deus vê = “Porém o SENHOR disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a grandeza da sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o SENHOR não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o SENHOR olha para o coração” I Samuel 16:7) mas diante de Deus este agir religioso é um agir hipócrita, sem raízes no mais íntimo da alma humana
“E se lembravam de que Deus era a sua rocha, e o Deus Altíssimo o seu Redentor. Todavia lisonjeavam-no com a boca, e com a língua lhe mentiam. Porque o seu coração não era reto para com ele, nem foram fiéis na sua aliança” Salmo 78: 35 - 37
O Senhor Deus sempre rejeitou este tipo de atitude
“Quando vindes para comparecer perante mim, quem requereu isto de vossas mãos, que viésseis a pisar os meus átrios?” Isaías 1: 12
A religiosidade é o produto de motivação humana temerosa à Divindade ou às suas ações – esta religiosidade é rejeitada por Deus
“Porque o Senhor disse: Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca, e com os seus lábios me honra, mas o seu coração se afasta para longe de mim e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, em que foi instruído” Isaías 29: 13
e também no Livro do profeta Jeremias:
“Porventura furtareis, e matareis, e adulterareis, e jurareis falsamente, e queimareis incenso a Baal, e andareis após outros deuses que não conhecestes, e então vireis, e vos poreis diante de mim nesta casa, que se chama pelo meu nome, e direis: Fomos libertados para fazermos todas estas abominações? É pois esta casa, que se chama pelo meu nome, uma caverna de salteadores aos vossos olhos? Eis que eu, eu mesmo, vi isto, diz o SENHOR” Jeremias 7: 9-11
O que Deus requer do homem não é esta religiosidade:
“Porque eu quero a misericórdia, e não o sacrifício; e o conhecimento de Deus, mais do que os holocaustos” Oséias 6: 6
Pergunta: É um reflexo da consciência de que existe o bem e o mal? De que haverá julgamento e que os não-convertidos serão julgados?
Resposta: “Porque, para com Deus, não há acepção de pessoas. Porque todos os que sem lei pecaram, sem lei também perecerão; e todos os que sob a lei pecaram, pela lei serão julgados. Porque os que ouvem a lei não são justos diante de Deus, mas os que praticam a lei hão de ser justificados. Porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem naturalmente as coisas que são da lei, não tendo eles lei, para si mesmos são lei; os quais mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência, e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os; no dia em que Deus há de julgar os segredos dos homens, por Jesus Cristo, segundo o meu evangelho” Romanos 2: 11-16

(NOTA IMPORTANTE: No Novo Testamento, o “cumprir a lei” era entendido não com a compreensão supersticiosa dos judeus, e sim no seu verdadeiro significado do amor ensinado pelo Senhor Jesus Cristo:
“O amor não faz mal ao próximo. De sorte que o cumprimento da lei é o amor” Romanos 13:10).

Pergunta:Quantos realmente acreditam em Deus e em Jesus e quantos só seguem seus ensinamentos porque tem medo das conseqüências negativas de não agir conforme Jesus ensinou?
Resposta: Novamente assunto do temor = pavor/pânico que é diametralmente oposto ao temor do Senhor – e acrescenta-se aqui a questão subentendida: a idéia humana natural de que é possível não pecar (“ora, se consigo não pecar me livrarei do motivo do meu temor” = pensamento do homem carnal, natural, não convertido por Deus). Todavia o ensinamento Bíblico é como segue:
“E esta é a mensagem que dele ouvimos, e vos anunciamos: que Deus é luz, e não há nele trevas nenhumas. Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade. Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado. Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça. Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós” I João 1: 5-10
E também:
“No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor.” I João 4:18

Nenhum comentário:

Postar um comentário